Supremo Tribunal Federal rejeita denúncia contra Bolsonaro por racismo

O voto decisivo foi do juiz Alexandre de Moraes, que desempatou uma votação de 2-2

O principal tribunal do Brasil rejeitou esta quarta-feira o julgamento do candidato presidencial da extrema-direita, Jair Bolsonaro, pelo crime de racismo, depois de uma denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República.

O Supremo Tribunal Federal não admitiu o julgamento, com o voto decisivo do juiz Alexandre de Moraes, que desempatou quando se registava uma votação de 2-2.

"Não tenho dúvida sobre a grosseria, a vulgaridade, o total desconhecimento da realidade nas declarações que foram feitas pelo denunciado [Bolsonaro]. Quando se refere de maneira pejorativa, crítica, uma crítica ácida, grosseira, vulgar, desconhece a realidade dos quilombos [locais onde se refugiavam os escravos]", disse o magistrado judicial Alexandre de Moraes.

Segundo o juiz, "apesar da grosseria, do desconhecimento das expressões", a conduta do denunciado não lhe pareceu que "tenha extrapolado os limites da sua liberdade de expressão".

A Procuradoria-Geral da República acusou o candidato às presidenciais de 07 de outubro de, numa palestra realizada no Clube Hebraica do Rio de Janeiro no ano passado, se manifestar de modo negativo e discriminatório sobre 'quilombolas', indígenas, refugiados, mulheres e LGBT, sigla de lésbicas, 'gays', bissexuais, travestis e transexuais.

Na palestra, Jair Bolsonaro disse que visitou um 'quilombola' em São Paulo, onde "o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas".

"Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador eles servem mais. Mais de um bilhão de reais por ano gasto com eles", criticou Jair Bolonaro, citado pelo jornal Estadão.

O julgamento de Bolsonaro começou no dia 28 de agosto, antes do atentado que o candidato sofreu em Juiz de Fora, no decurso da campanha eleitoral, mas foi interrompido por um pedido de mais tempo para análise levantado pelo juiz Alexandre de Moraes.

Jair Bolsonaro, atingido na quinta-feira por uma facada durante um ato de campanha em Minas Gerais, lidera a corrida eleitoral de outubro, com 22% das intenções de voto, na primeira sondagem feita após a recusa da candidatura liderada por Lula da Silva (PT).

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?