Supremo tira Calheiros de linha de sucessão a Temer

Plenário do Supremo Tribunal Federal recua. No entanto, impede o líder do Senado de continuar na linha sucessória do seu aliado Michel Temer, presidente da República.

Renan Calheiros vai continuar como presidente do Senado, decidiu o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), ontem reunido em Brasília. Os nove juízes - dois ausentaram-se - votaram por seis votos a favor e três contra pela continuidade do senador do Partido do Movimento da Democracia Brasileira (PMDB) no cargo mas resolveram, por unanimidade, afastá-lo da linha sucessória do presidente da República Michel Temer, também do PMDB.

Com esta decisão, Temer respira de alívio porque pode continuar a tratar do calendário de votações no Senado com Calheiros, com quem está em sintonia política, e não sujeitar-se a negociações com Jorge Viana, do Partido dos Trabalhadores (PT), seu substituto natural enquanto vice-presidente da casa. E já para a próxima semana está marcada a votação do projeto que limita os gastos públicos com educação e saúde, um dos pilares da política económica do governo, mas que encontra muitas resistências no campo do PT e dos partidos mais à esquerda.

Na segunda-feira à noite, o juiz Marco Aurélio Mello havia, em resposta a uma ação do partido Rede Sustentabilidade, criado pela duas vezes candidata à presidência da República Marina Silva, decidido afastar Renan por este ser réu num caso de desvio de recursos públicos para pagamento de pensão e aluguer de uma filha fora do casamento, em 2007. Segundo a Rede - e Mello - a Constituição prevê que um réu não pode estar na linha sucessória do presidente da República e o líder do Senado está em terceiro lugar nessa linha, logo depois do presidente da Câmara dos Deputados.

O juiz mais antigo do STF, Celso de Mello, divergiu do colega no plenário de ontem e sugeriu que Calheiros continuasse na presidência mas fosse retirado da linha de sucessão. A ideia salomónica foi seguida por mais cinco juízes, entre os quais a presidente do órgão Carmen Lúcia. E assim, Renan continua como presidente do Senado mas não pode, na qualidade de réu de um processo penal, suceder Temer em nenhuma circunstância.

Entretanto, no intervalo que durou entre a decisão individual do juiz Marco Aurélio Mello e a do plenário do STF, Renan Calheiros disse que não sairia do Senado, recusando-se a receber o oficial de justiça que iria notificá-lo nesse sentido. "Decisão grotesca", definiu Mello, no que foi acompanhado por todos os colegas magistrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.