Sultão do Brunei celebra 50 anos no trono com banho de multidão

Milhares de pessoas saíram à rua para saudar o monarca, que ascendeu a chefe de Estado com 21 anos, enquanto este seguia numa carruagem dourada acompanhado pela primeira mulher

O sultão do Brunei, Hassanal Bolkiah, celebrou hoje meio século no trono com um desfile pelas ruas da capital do sultanato, Bandar Seri Begawan.

Milhares de pessoas saíram à rua para saudar o monarca, que ascendeu a chefe de Estado com 21 anos, em 1967, enquanto este seguia numa carruagem dourada acompanhado pela primeira mulher, Pengiran Anak Saleha.

Bolkiah, de 71 anos, é o segundo rei com mais anos no trono a nível mundial, atrás da rainha Isabel II do Reino Unido.

O Brunei é uma pequena nação no sudeste asiático com grandes reservas de petróleo e de gás.

As celebrações dos 50 anos no poder terão a duração de duas semanas.

O sultão do Brunei, um dos homens mais ricos do mundo, com uma fortuna avaliada em cerca de 20.000 milhões de dólares, cumpre também as funções de primeiro-ministro, ministro da Defesa, ministro das Finanças e líder da religião islâmica.

Durante os seus 50 anos de reinado, foi protagonista de várias controvérsias.

Casou três vezes, mantendo atualmente apenas o seu primeiro matrimónio.

O divórcio da sua segunda mulher, Hajah Mariam, custou-lhe parte da sua fortuna e algumas capas em revistas da imprensa cor-de-rosa, com relatos sobre a sua vida íntima.

Com 17 filhos, Bolkiah é conhecido pelo luxuoso e extravagante nível de vida, e mantém uma frota de 5.000 automóveis desportivos, assim como aviões privados e helicópteros.

O Brunei, com uma população de cerca de 400.000 pessoas, tem sido governado pela mesma família real durante 654 anos.

O príncipe herdeiro é Al-Muhtadee Billah, de 43 anos, e terceiro filho do primeiro casamento de Bolkiah.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.