Suécia vai criar o primeiro regimento militar desde a II Guerra Mundial

O agravamento da "situação de segurança" na região do Mar Báltico está por detrás desta decisão

A Suécia diz que está a criar o primeiro regimento militar da Nação desde a II Guerra Mundial, uma unidade com 350 soldados, que ficará sediada na ilha de Gotland, no Mar Báltico.

O Governo sueco afirmou hoje que, em 2018, a unidade permanente será implantada na principal cidade da ilha, Visby, que é estrategicamente importante.

O ministro da Defesa sueco, Peter Hultqvist, disse que o agravamento da "situação de segurança" na região do Mar Báltico está por detrás desta decisão.

A Rússia aumentou as operações militares na região desde a anexação da Crimeia em 2014 e participa ainda no conflito no leste da Ucrânia, que envolve o Governo e os separatistas pró-Rússia.

Hultqvist declarou que o regimento irá restabelecer a presença militar na ilha, que é muito popular entre os turistas.

A ilha de Gotland, com uma população de 58.000 habitantes, hospedou um grupo de infantaria em 1886. A guarnição foi desmantelada em 2005.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.