Suécia já demora dois anos a dar asilo. 80 mil serão expulsos

Finlândia vai repatriar quase 20 mil. Holanda quer reenviar para a Turquia os que fazem travessia para a Grécia, tornando a viagem inútil, comprometendo-se a ir lá buscá-los

Os números recorde de entradas significam também um número recorde de saídas. O governo sueco reconheceu que deverá repatriar voluntariamente ou à força cerca de 80 mil migrantes, quase metade dos 163 mil que chegaram no ano passado ao país. Já a Finlândia, que recebeu 32 mil pedidos de asilo, prevê ser obrigada a expulsar quase 20 mil (62%). Segundo a Comissão Europeia, está a aumentar o número de pessoas que chegam à Europa sem ter direito a asilo - estão à procura de uma vida económica melhor, mas não correm perigo de vida.

"Temos de nos ocupar o melhor possível dos que podem ficar, mas os que recebem uma resposta negativa devem partir", disse o primeiro-ministro sueco, Stefan Löften. "Temos um grande desafio à nossa frente. Vamos precisar de mais recursos para isto e temos de ter maior cooperação entre as nossas autoridades", indicou o ministro do Interior, Anders Ygeman. Nos últimos anos, a Suécia rejeitou cerca de 45% dos pedidos de asilo. Dos 13 mil migrantes que foram obrigados a sair em 2015, dez mil partiram voluntariamente e três mil à força.

Para complicar a situação, os pedidos de asilo amontoam-se, com as autoridades a não terem capacidade para lidar com o volume de processos. Os mais recentes podem demorar entre 15 e 24 meses só a serem avaliados, alertam. A Suécia ainda está em choque com a morte de Alexandra Mezher, de 22 anos, esfaqueada por um rapaz de 15 anos num abrigo para refugiados onde trabalhava, em Gotemburgo.

Na Finlândia, o governo está a preparar diferentes centros para os que querem partir voluntariamente (quatro mil pedidos de asilo dos 32 mil recebidos em 2015 já foram retirados) e os que terão de ir à força. O processamento das entradas de 2015 ficará concluído em agosto, esperam as autoridades finlandesas, que em 2014 só aceitaram 44% dos 3651 pedidos de asilo recebidos.

Ferry para a Turquia

A Holanda, na presidência da UE, está a estudar travar os refugiados logo à entrada na Europa. A ideia é reenviar para a Turquia, de ferry, os migrantes que chegam à Grécia, disse ao jornal Volkskrant o líder do Partido Trabalhista (na coligação de governo), Diederik Samson. Em troca, os europeus aceitariam receber anualmente centenas de milhares de refugiados sírios, dos dois milhões que estão na Turquia.

A medida visaria travar o fluxo dos que arriscam a vida, por tornar a viagem inútil. "Todas as noites, as pessoas afogam-se porque entram num barco com gente a mais em condições meteorológicas desfavoráveis", lembrou. Na quarta-feira morreram mais 24 migrantes junto à ilha grega de Samos. Samson disse ainda que melhorar as condições dos refugiados sírios na Turquia permitiria que este país se tornasse seguro para as deportações.

Renzi critica Merkel e Hollande

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, disse ontem com ironia que ficaria encantado se a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, pudessem resolver todos os problemas da Europa. "Mas geralmente não podem", afirmou ao Frankfurter Allgemeine Zeitung. "Se estamos à procura de uma estratégia europeia comum para resolver a questão dos refugiados, não pode ser suficiente que a Angela telefone ao Hollande e depois ao presidente da Comissão Europeia, Jean Claude--Juncker, e eu saiba do resultado pela imprensa", indicou Renzi.

O primeiro-ministro reúne-se hoje em Berlim com Merkel. Renzi apoia a ideia do vice-chanceler, Sigmar Gabriel, de cortar na ajuda ao desenvolvimento para países do Norte de África que não estejam dispostos a aceitar de volta os cidadãos cujo pedido de asilo seja rejeitado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.