Suécia deixa cair investigação a Julian Assange por alegada violação

Fundador da WikiLeaks está na embaixada do Equador em Londres para evitar extradição para a Suécia. Polícia inglesa já avisou que detém Assange se este sair do edifício

A procuradoria sueca anunciou esta sexta-feira que irá abandonar a investigação preliminar a uma alegada violação da autoria de Julian Assange, o fundador da WikiLeaks, pondo fim a um impasse legal de sete anos.

"A procuradora Marianne Ny decidiu hoje descontinuar a investigação preliminar que diz respeito à alegada violação de Julian Assange", informaram as autoridades em comunicado, citado pela agência Reuters.

Assange, de 45 anos, vive na embaixada do Equador - país que lhe concedeu asilo - em Londres desde 2012, onde procurou refúgio para evitar a extradição para a Suécia para ser levado à justiça devido a crimes sexuais. A Suécia tinha emitido um mandado de detenção europeu. O fundador da WikiLeaks sempre negou a acusação de violação que lhe foi feita por uma cidadã sueca em agosto de 2010.

Assange recusou-se ainda a viajar para Estocolmo alegando que, da Suécia, poderia ser depois extraditado para os Estados Unidos por ter divulgado, através da WikiLeaks, 500 mil ficheiros militares classificados sobre as guerras do Afeganistão e Iraque. Estes documentos confidenciais foram entregues à WikiLeaks por Chelsea Manning, condenada a 35 anos de prisão mas que foi libertada esta semana: antes de passar a presidência a Donald Trump, Barack Obama comutou a pena de Manning, que acabou por cumprir apenas sete anos de cadeia.

Esta sexta-feira, poucos minutos depois de ter sido conhecida a decisão da justiça sueca, Julian Assange colocou no Twitter uma fotografia a sorrir.

Polícia inglesa "obrigada" a prender Assange

O arquivamento do processo sueco permite, em teoria, que Assange deixe finalmente a embaixada do Equador. Porém, os advogados do australiano têm dito que ele não o fará sem ter garantias de que não será extraditado para os EUA sob acusação de espionagem, ligada às atividades da WikiLeaks.

Entretanto, a polícia inglesa já reagiu, informando que será forçada a prender Assange se este deixar o edifício. "O Tribunal de Magistrados de Westminster emitiu um mandado de detenção para Julian Assange na sequência de este não se ter apresentado em tribunal no dia 29 de junho de 2012. A polícia metropolitana é obrigada a executar esse mandado no caso de Assange deixar a embaixada", informaram as autoridades britânicas em comunicado.

Na mesma declaração, porém, acrescentam que Assange seria agora detido por um delito "muito menos grave": os crimes sexuais já não estão em questão, apenas o facto de não ter comparecido em tribunal conforme lhe fora solicitado.

Através do Twitter, a WikiLeaks sublinhou que o Reino Unido recusa, porém, "confirmar ou desmentir se já recebeu um pedido de extradição dos Estados Unidos da América".

O procurador-geral dos Estados Unidos nomeado por Trump, Jeff Sessions, disse no mês passado que a detenção de Assange é uma prioridade e, ainda que não tenha sido feita qualquer acusação formal ao fundador da WikiLeaks, a imprensa norte-americana tem referido que o Departamento de Justiça dos EUA está a analisar como o fazer. "Já começámos a aumentar os nossos esforços e logo que o caso possa ser feito, vamos procurar pôr algumas pessoas na prisão", disse Sessions.

Recentemente, também o diretor da CIA, Mike Pompeo, descreveu a WikiLeaks como um "serviço de inteligência hostil" e uma ameaça à segurança nacional.

Recorde-se que, em fevereiro do ano passado, o Grupo de Trabalho das Nações Unidas sobre Detenções Arbitrárias considerou que a prisão de Julian Assange foi arbitrária e que o Reino Unido e Suécia deveriam compensá-lo pela detenção.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?