Suécia admite prolongar a idade de reforma dos 61 para os 64 anos

O prolongamento da idade de reformas vai ser implementado por fases e só vai ser completamente efetivo em 2026

A Suécia anunciou hoje que vai apresentar propostas sobre o prolongamento da idade de reforma dos 61 para os 64 anos de idade sendo que o novo sistema deve ser implementado por fases durante a próxima década.

"Para garantir a manutenção das pensões a duração da vida ativa tem de ser prolongada", refere o grupo de trabalho sobre as pensões que reúne membros dos partidos que constituem o Executivo (social-democratas e verdes) e as formações políticas da oposição (conservadores, liberais, centristas e democratas-cristãos).

As posições do grupo de trabalho foram publicadas no jornal sueco Dagens Nyheter.

O prolongamento da idade de reformas vai ser implementado por fases e só vai ser completamente efetivo em 2026.

O sistema sueco de pensões de reforma é flexível e tem regimes específicos: idade, vencimento: e é determinado por negociações entre o patronato e os sindicatos.

Até ao momento, os suecos podem pedir a reforma a partir dos 61 anos de idade, mas podem trabalhar até aos 67 anos efetuando os devidos descontos.

A nova proposta vai permitir, opcionalmente, o trabalho até aos 69 de idade.

De acordo com as estatísticas oficiais a maioria dos suecos pede a reforma aos 64 anos.

O sistema de pensões de reforma assenta em três pilares: reformas sobre os descontos efetuados nos pagamentos aos funcionários públicos, reformas com complementos no setor privado e verificam-se casos de uso de planos de reformas totalmente privados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.