Suécia admite prolongar a idade de reforma dos 61 para os 64 anos

O prolongamento da idade de reformas vai ser implementado por fases e só vai ser completamente efetivo em 2026

A Suécia anunciou hoje que vai apresentar propostas sobre o prolongamento da idade de reforma dos 61 para os 64 anos de idade sendo que o novo sistema deve ser implementado por fases durante a próxima década.

"Para garantir a manutenção das pensões a duração da vida ativa tem de ser prolongada", refere o grupo de trabalho sobre as pensões que reúne membros dos partidos que constituem o Executivo (social-democratas e verdes) e as formações políticas da oposição (conservadores, liberais, centristas e democratas-cristãos).

As posições do grupo de trabalho foram publicadas no jornal sueco Dagens Nyheter.

O prolongamento da idade de reformas vai ser implementado por fases e só vai ser completamente efetivo em 2026.

O sistema sueco de pensões de reforma é flexível e tem regimes específicos: idade, vencimento: e é determinado por negociações entre o patronato e os sindicatos.

Até ao momento, os suecos podem pedir a reforma a partir dos 61 anos de idade, mas podem trabalhar até aos 67 anos efetuando os devidos descontos.

A nova proposta vai permitir, opcionalmente, o trabalho até aos 69 de idade.

De acordo com as estatísticas oficiais a maioria dos suecos pede a reforma aos 64 anos.

O sistema de pensões de reforma assenta em três pilares: reformas sobre os descontos efetuados nos pagamentos aos funcionários públicos, reformas com complementos no setor privado e verificam-se casos de uso de planos de reformas totalmente privados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.