Subiu para sete o número de mortos no desabamento de dois prédios no Rio de Janeiro

Há ainda 12 desaparecidos. Uma centena de bombeiros estão no local.

O número de mortos na sequência do desabamento de dois edifícios, na sexta-feira, no Rio de Janeiro, aumentou hoje para sete, e 12 pessoas continuam desaparecidas, segundo o portal de notícias G1.

Uma centena de bombeiros está, desde sexta-feira, no local do acidente, no bairro conhecido como Muzema, para participar nas operações de busca na esperança de encontrar mais sobreviventes.

De acordo com o último balanço oficial, sete pessoas morreram, incluindo duas que foram resgatadas com vida, mas que acabaram por morrer no hospital. Contabilizam-se ainda 10 feridos e pelo menos 12 desaparecidos.

Perante o risco de desabamento de outros prédios, as autoridades brasileiras desalojaram pelo menos 20 famílias, algumas das quais esperam nas ruas para voltar às suas casas.

O presidente da Câmara do Rio de Janeiro, Marcello Crivella, afirmou, no local do acidente, que as duas edificações que desabaram estavam num loteamento irregular.

O bairro de Muzema faz parte de um complexo de comunidades pobres da zona oeste do Rio de Janeiro, que estão sob o controlo de grupos criminosos, liderados por agentes da polícia e militares no ativo ou reformados.

As milícias seriam responsáveis por construções e venda destes imóveis construídos ilegalmente e que já terão cerca de 30 mil habitantes.

Rio de Janeiro permanece hoje em estado de alerta devido às chuvas fortes que ocorreram a partir da noite de quinta-feira, sendo já consideradas as piores dos últimos 20 anos, causando vários danos materiais e uma dezena de mortos.

As precipitações afetam os bairros da zona sul e oeste da capital, devido ao deslizamento de terras e inundações nas ruas, que arrastam inúmeros carros.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.