Steve Bannon chama extrema-direita de "monte de palhaços" e desmente Trump

Estrategista da Casa Branca desvalorizou a tensão com a Coreia do Norte numa entrevista que não esperava que fosse publicada

O chefe de estratégia de Donald Trump, Steve Bannon, deu uma entrevista em que descreveu a extrema-direita como "um monte de palhaços", revelou que "não há uma solução militar para as ameaças nucleares da Coreia do Norte", ao contrário do que o presidente tem dito, e afirmou que os EUA estão numa guerra económica com a China.

Bannon, de 63 anos, é tido como uma das vozes do nacionalismo nos Estados Unidos e responsabilizado pelas recentes atitudes de Trump, que se recusa a culpar unicamente a extrema-direita pelos incidentes em Charlottesville.

Esta terça-feira, Bannon ligou para um jornalista do The American Prospect e deu uma rara entrevista, em que disse que a extrema-direita é "irrelevante". "O etnonacionalismo é para falhados. É um elemento à parte e acho que os meios de comunicação lhe dão muita importância. Temos de ajudar a esmagá-lo", disse Bannon. "Estes tipos são um monte de palhaços".

Antes de ser contratado por Donald Trump, Steve Bannon dirigiu durante quatro anos o 'site' de extrema-direita Breitbart News, que ele próprio disse ser "uma plataforma da 'alt-right'", ou 'extrema-direita alternativa'.

Bannon disse ainda querer que os democratas "falem de racismo todos os dias". "Se a esquerda estiver focada na raça e identidade e nós avançarmos com o nacionalismo económico, podemos esmagar os democratas", explicou o estratega de Trump.

Mudando para assuntos mais importantes - segundo o próprio Bannon - o responsável disse então que "a guerra económica com a China é tudo e temos de estar extremamente focados nisso".

"Estamos numa guerra económica com a China. Está na literatura deles e eles não têm vergonha de dizer o que estão a fazer. Em 25 ou 30 anos um de nós vai ser uma hegemonia e vão ser eles se nós continuarmos a descer por este caminho", explicou Bannon.

"Quanto à Coreia [do Norte] eles estão só a seguir-nos. É um espetáculo secundário", continuou. Bannon desvalorizou as ameaças de Trump de atacar a Coreia do Norte com "fogo e fúria" dizendo que "não há solução militar para a Coreia do Norte, esqueçam".

Uma entrevista involuntária, diz Bannon

A entrevista foi publicada esta quarta-feira. No artigo, o jornalista Robert Kuttner explica que nunca tinha falado com Bannon e que durante a chamada nunca foi discutido se o teor da conversa era "off the record", ou seja, se poderia ser divulgado pelo jornal.

A Axios publicou esta quinta-feira um artigo em que diz que Bannon ficou muito surpreendido ao ler a entrevista porque não sabia que as suas palavras seriam publicadas. Segundo a publicação, o estrategista disse aos colegas da Casa Branca que não foi a sua intenção dar uma entrevista e que apenas ligou para o jornalista porque admira o seu trabalho e gostou das peças que Robert Kuttner escreveu sobre a relação entre os EUA e a China.

Nas redes sociais, várias pessoas comparam a chamada de Bannon ao jornalista à de Anthony Scaramucci, em que o antigo diretor de comunicação da Casa Branca insultava vários assessores de Trump - incluindo Bannon.

O futuro de Bannon na Casa Branca tem sido questionado nos últimos tempos - já que Trump tem despedido vários membros da sua equipa e recusou-se a garantir que iria manter o principal estratega - e há quem relembre que foi o telefonema para o jornalista da The New Yorker que levou ao despedimento de Scaramucci.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.