Secretário de Estado das Comunidades lamenta morte de português nas explosões no Sri Lanka

Várias explosões ocorreram no Sri Lanka, esta manhã, fazendo centenas de mortos e feridos. Entre as mortes confirmadas, está um jovem português com cerca de 30 anos.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas lamentou a morte de um cidadão português nas explosões ocorridas no Sri Lanka, avançando que estão a tentar contactar os portugueses que se encontram no país, embora não haja conhecimento de mais vítimas.

Em declarações à Lusa ao telefone, José Luis Carneiro, disse já ter falado com a esposa do português que faleceu hoje no Sri Lanka, a quem transmitiu uma mensagem de condolências e deixou os contactos para prestar "o apoio devido e indispensável nesta altura".

"Tivemos conhecimento [da existência destes portugueses] porque foi a sua família que contactou o gabinete de emergência consular", disse José Luis Carneiro, adiantando que o gabinete teve ainda o contacto de outros familiares dando conta de que tinha também lá uma família de quatro elementos, mas "felizmente esses encontram-se bem".

De acordo com o secretário de Estado das Comunidades, existem dez portugueses com residência inscrita na embaixada de Portugal em Nova Deli, e até agora os únicos contactos que o gabinete de emergência teve foi das duas famílias cujos familiares estavam em turismo na ilha.

"Para já não temos quaisquer informações que suscitem preocupação. O que ocorre nestes casos é o contacto das famílias com o gabinete de emergência consular. Estamos a fazer uma despistagem para procurar contactar as famílias que estão inscritas no serviço consular de Nova Deli", disse.

José Luis Carneiro frisou ainda que, "para já, não há indícios de outras vítimas portuguesas destes acontecimentos tão horríveis e lamentáveis".

O secretário de Estado das Comunidades acrescentou também que as autoridades portuguesas "vão continuar a acompanhar e a manter abertos os canais de comunicação diretos quer na Embaixada de Portugal em Nova Deli, quer da cônsul honorária no Sri Lanka". "Todos os serviços estão ativados", disse.

A capital do Sri Lanka, Colombo, foi alvo de pelo menos quatro explosões, em três hotéis de luxo - o Shangri-La Colombo, o Kingsbury Hotel e o Cinnamon Grand Colombo - e uma igreja. Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra no leste do país. Muitos fiéis celebravam o Domingo da Ressurreição, o dia mais importante entre os rituais da Semana Santa.

As explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08:45 (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais. Até agora, a autoria dos ataques ainda não foi reivindicada por nenhum grupo.

Horas depois das primeiras explosões - já ao início da manhã em Lisboa - registou-se uma sétima explosão num hotel em Dehiwala, arredores de Colombo, junto ao jardim zoológico, onde terão morrido pelo menos duas pessoas, de acordo com a AFP. Ainda segundo a agência de notícias francesa, pouco depois deu-se uma oitava explosão no distrito Dematagoda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.