Spencer Stone irá assistir ao discurso do estado da União de Obama

Spencer Stone, militar da Força Aérea dos EUA, que evitou ataque a TGV que ligava Amesterdão e Paris, é um dos convidados que vão assistir ao discurso do estado da União de Barack Obama.

O militar norte-americano de 23 anos, que esteve de serviço na base das Lajes, nos Açores, irá assistir àquele que é o último discurso do estado da União da presidência de Obama, depois de já ter sido condecorado pelo chefe do Estado dos EUA pelo seu ato heroico a 21 de agosto em França.

Nesse dia Spencer Stone e dois amigos que estavam de férias com ele na Europa evitaram um ataque ao comboio de alta velocidade Thalys n.º 9364, que ligava Amesterdão a Paris, com 554 pessoas a bordo. Na luta com o atacante, o marroquino Ayoub El Qahzzani, Stone sofreu ferimentos numa mão e teve que ser submetido a cirurgia na Alemanha. Recuperado, a 21 de setembro esteve em Lisboa, na Messe de Monsanto, antes de regressar à Base das Lajes. Nesse dia, em conversa com os media, entre os quais o DN, disse: "Adoro os portugueses. É uma honra servir nos Açores".

Nem menos de um mês depois o militar agora destacado na base de Travis, na Califórnia, voltava a ser notícia, por ter sido, de novo, ferido. Desta vez numa rua de bares de Sacramento, alegadamente por se ter envolvido numa luta para defender uma mulher de 24 anos. Agora recuperado, viajará para Washington, sendo um dos convidados a assistir ao discurso do estado da União de Obama, às 21.00 de terça-feira (02.00 de quarta-feira em Lisboa).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.