Sorin Grindeanu designado novo primeiro-ministro da Roménia

O chefe de Estado da Roménia rejeitou na terça-feira, sem qualquer explicação, a indigitação para primeira-ministra da candidata de esquerda Sevil Shhaideh, que teria sido a primeira mulher e primeira muçulmana a liderar o país

O presidente romeno Klaus Iohannis Iohannis designou hoje o social-democrata Sorin Grindeanu como novo primeiro-ministro, pondo fim à incerteza no país desde as eleições de 11 de dezembro.

O presidente de centro-direita assinou o decreto sobre a nomeação de Gridneanu, 43 anos, ex-ministro das Comunicações, que agora tem 10 dias para obter o voto de investidura parlamentar sobre o programa e a lista de novo governo.

O chefe de Estado da Roménia rejeitou na terça-feira, sem qualquer explicação, a indigitação para primeira-ministra a candidata de esquerda do Partido Social Democrata (PSD), Sevil Shhaideh, que teria sido a primeira mulher e primeira muçulmana a liderar o governo do país.

O PSD indicou o nome de Sevil Shhaideh na sequência da vitória nas legislativas no país no passado dia 11 de dezembro.

O PSD foi o partido mais votado nas legislativas romenas com 45% dos votos, o que lhe confere a prorrogativa de indicar o nome do primeiro-ministro, para além de que goza de uma confortável maioria parlamentar resultante da coligação pós-eleitoral com a Aliança dos Liberais e Democratas, que foi ainda apoiada pela União Magiar Democrata (UDMR).

O líder do PSD, Liviu Dragnea, seria o candidato natural a primeiro-ministro, se não estivesse a cumprir uma pena suspensa de dois anos por envolvimento num caso de fraude eleitoral em 2012 relacionado com um referendo contra o antigo presidente, Traian Basescu.

A lei romena impede Dragnea de aceder à posição, ainda que fosse considerado o melhor candidato pela aliança política que dirige, facto que foi sublinhado pelo Presidente romeno na semana passada, assim como pelo próprio quando na passada quarta-feira saiu da audiência com Iohannis, em que apresentou o nome de Sevil Shhaideh para liderar o Governo.

À saída dessa audiência Dragnea afirmou que "ainda não" podia autonomear-se para primeiro-ministro, ainda que "tivesse o direito" a isso, porque é líder do partido mais votado nas legislativas.

Esta impossibilidade, precisamente, levou Dragnea a escolher Sevil Shhaideh, amiga pessoal do líder do PSD, mas apenas com a experiência política resultante de seis meses no Governo, enquanto ministra do Desenvolvimento Regional, pasta em que substituiu o próprio Dragnea quando este foi condenado por fraude eleitoral.

A vitória do PSD nas legislativas do passado dia 11 acontece cerca de um ano depois de um incidente em torno de um incêndio num clube noturno ter provocado a morte de 64 pessoas, cujas repercussões mediáticas levou à demissão do anterior primeiro-ministro, Victor Ponta.

Desde então, a Roménia tem sido conduzida por um governo de gestão, liderado por Dacian Ciolos, 47 anos, antigo comissário europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.