Putin vê vitória como "sinal de confiança e esperança"

Sondagem à boca das urnas da VTsIOM dá 73,9% dos votos ao atual presidente e coloca o candidato do partido comunista, Pavel Grudinin, em segundo lugar, com 11,2%

Uma hora depois do encerramento das últimas assembleias de voto na Rússia, a primeira sondagem à boca das urnas confirma o resultado que todos esperava,: Vladimir Putin venceu. O inquilino do Kremlin terá, segundo o estudo VTsIOM, obtido 73,9% dos votos. Em segundo lugar, com 11,2%, surge Pavel Grudinin, o candidato do Partido Comunista.

O nacionalista Vladimir Jirinovski, do Partido Liberal Democrático, obtém 6,7% e é terceiro. A ex-apresentadora de TV Xenia Sobtchak é quarta com 2,5%, segundo a mesma sondagem.

Diante de uma multidão reunida em Moscovo, Putin afirmou ver este resultado como "sinal do reconhecimento pelo que fizemos nos últimos anos em condições muito difíceis". O presidente russo interpretou esta vitória para um quarto mandato como "sinal de confiança e esperança" e agradeceu a todos os apoiantes.

A participação, segundo a mesma sondagem à boca das urnas, será de 63,7%, abaixo dos 70% pretendidos pelo Kremlin para legitimar a vitória de Putin.

As eleições russas foram marcadas por acusações de fraude pela oposição. O presidente russo, de 65 anos, há mais de 18 no poder, conquista assim um quarto mandato, até 2024, mas a oposição lançou acusações de que a participação nas urnas foi aumentada através de fraudes.

Afastado da eleição devido a uma condenação judiciária, o principal opositor, Alexeï Navalny, acusou o Kremlin de insuflar a mobilização através de fraudes nas urnas e transporte maciço de eleitores.

A Organização Não Governamental Golos, especializada na supervisão de eleições, escreveu no seu sítio ´online´ que às 17:00 foram contabilizadas 2.472 irregularidades, como votos múltiplos, ou entraves ao trabalho dos observadores.

A presidente da Comissão Eleitoral, Ella Pamfilova, estimou, no entanto, que "não houve assim tantas irregularidades", enquanto a equipa de Putin contou 200.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.