Soldados franceses alvo de ataque terrorista no Mali

Os militares franceses da operação Barkhane caíram numa emboscada montada por terroristas, à saída para a cidade de Bourem

Soldados franceses foram o alvo de um ataque classificado como terrorista na região de Gao, no Mali, segundo fontes militares citadas pela agência noticiosa France Presse.

"Os militares franceses da operação Barkhane caíram numa emboscada montada por terroristas, à saída para a cidade de Bourem", confirmaram várias fontes, enquanto uma habitante local disse que um carro-bomba visou uma patrulha de soldados da operação.

"Um blindado barrou a via e o veículo conduzido por um suicida fez-se explodir", disse Fatouma Wangara, que testemunhou voos de helicópteros franceses em Gao.

Este ataque ocorre depois do início hoje da cimeira da União Africana, em Nouakchott, na Mauritânia, e dois dias depois de um outro ataque suicida no Mali contra a sede da força conjunta do G5 Sahel, uma força militar que junta Mali, Niger, Mauritânia, Burkina Faso e Chade. Este ataque provocou três mortos.

O presidente francês, Emmanuel Macron, deverá encontrar-se na segunda-feira, em Nouakchott, com os seus homólogos do G5 Sahel, que tem por objetivo combater o terrorismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".