Soldados franceses alvo de ataque terrorista no Mali

Os militares franceses da operação Barkhane caíram numa emboscada montada por terroristas, à saída para a cidade de Bourem

Soldados franceses foram o alvo de um ataque classificado como terrorista na região de Gao, no Mali, segundo fontes militares citadas pela agência noticiosa France Presse.

"Os militares franceses da operação Barkhane caíram numa emboscada montada por terroristas, à saída para a cidade de Bourem", confirmaram várias fontes, enquanto uma habitante local disse que um carro-bomba visou uma patrulha de soldados da operação.

"Um blindado barrou a via e o veículo conduzido por um suicida fez-se explodir", disse Fatouma Wangara, que testemunhou voos de helicópteros franceses em Gao.

Este ataque ocorre depois do início hoje da cimeira da União Africana, em Nouakchott, na Mauritânia, e dois dias depois de um outro ataque suicida no Mali contra a sede da força conjunta do G5 Sahel, uma força militar que junta Mali, Niger, Mauritânia, Burkina Faso e Chade. Este ataque provocou três mortos.

O presidente francês, Emmanuel Macron, deverá encontrar-se na segunda-feira, em Nouakchott, com os seus homólogos do G5 Sahel, que tem por objetivo combater o terrorismo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.