Oito mortos e 26 feridos em ataque a caravana da NATO em Cabul

Não há vítimas entre os membros da NATO. Vítimas são civis

Pelo menos sete civis e um atacante morreram e outras 26 pessoas ficaram feridas num atentado suicida à passagem de uma caravana da missão da NATO no Afeganistão numa zona da alta segurança em Cabul.

A explosão ocorreu por volta das 07:45 locais (02:15 em Lisboa), no Distrito Policial 9, no centro da capital afegã, à passagem de uma caravana da NATO e "perto da embaixada dos Estados Unidos", disse à EFE o porta-voz da polícia de Cabul, Basir Mujahid.

O primeiro balanço indicava quatro mortos e 22 feridos, todos civis.

Nenhum membro da Aliança Atlântica ficou ferido, acrescentou Mujahid.

Nenhum grupo armado reivindicou até esta manhã a autoria do atentado suicida.

Noutro ataque no mês passado na área de maior segurança de Cabul, cinco civis morreram e três pessoas ficaram feridas quando um suicida que seguia a pé tentou detonar os explosivos que transportava contra um veículo de funcionários do Governo no exterior do Palácio Presidencial.

Esse atentado foi reivindicado pelo grupo radical Estado Islâmico (EI) através de um comunicado difundido na Internet pela agência Amaq, órgão de propaganda do grupo.

O Governo do Afeganistão tem vindo a perder terreno face aos talibãs e outros grupos insurgentes desde o final da missão militar da Aliança Atlântica e atualmente apenas controla 57 % do país, segundo o inspetor especial geral para a Reconstrução do Afeganistão (SIGAR) do Congresso dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.