48 mortos em acidente com autocarro na "curva do diabo"

O chefe da polícia na cidade de Huaral, Hernan Valdivieso, afirmou que foram contados até ao momento 48 mortos

A polícia do Peru anunciou que o número de mortos na queda de um autocarro numa ravina, no norte do país, aumentou para 48, no último balanço divulgado na terça-feira.

O autocarro, com 57 passageiros, um motorista e uma assistente, saiu na terça-feira de Huaura para Lima. O acidente ocorreu a cerca de 45 quilómetros de Lima, na estrada Pan-americana Norte, numa zona conhecida como a 'curva do diabo', sobre o oceano Pacífico.

O chefe da polícia na cidade de Huaral, Hernan Valdivieso, afirmou que foram contados até ao momento 48 mortos, tendo já sido enviados 14 corpos para a morgue desta localidade, onde ocorreu o acidente.

"Estamos agora a retirar dez de uma ravina com 200 metros. Doze corpos encontram-se em local seguro e os 12 restantes ainda estão no interior do autocarro", disse à RPP Noticias.

Os serviços de socorro peruanos trabalharam todo o dia no resgate dos sobreviventes e na localização das vítimas mortais entre os ferros retorcidos do autocarro e antes de que a maré cubra o veículo.

O chefe de informações dos bombeiros, o comandante Lewis Mejia, explicou que 12 corpos "foram colocados numa zona segura" e deverão ser retirados do local, quando a operação for retomada.

A diretora do Hospital Alcides Carrión del Callao, María Elena Aguilar, disse que os quatro feridos hospitalizados na unidade apresentam múltiplas fraturas, e esperam ser operados nas próximas horas. Um quinto sobrevivente foi internado no hospital Sabogal e um sexto encontra-se num centro médico de Chancay.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.