Sobe para 18 número de mortos devido a sismo no Japão

Abalo ocorreu a 62 quilómetros a sudeste de Sapporo e a 40 quilómetros de profundidade

Pelo menos 18 pessoas morreram e 22 estão desaparecidas na sequência do terramoto de magnitude 6,7 na escala de Richter que atingiu na quinta-feira a ilha de Hokkaido, no Japão, segundo novo balanço divulgado esta sexta-feira.

"Muitas pessoas ainda estão soterradas, estamos a trabalhar incansavelmente, mas os esforços de resgate são difíceis", referiu um soldado das Forças de Autodefesa (SDF), em entrevista à televisão pública NHK, que reportou 18 mortos e 22 desaparecidos.

"Faremos o nosso melhor para encontrá-los rapidamente", garantiu.

Em Atsuma, registaram-se 14 mortos após o sismo que provocou deslizamentos de terra, que por sua vez destruíram casas.

Mais de três milhões de habitações estão sem eletricidade, os transportes públicos estão paralisados e as escolas encerradas.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que 25 mil soldados e outros funcionários vão ser enviados para a região, de forma a ajudarem nas operações de resgate.

Já o órgão regulador nuclear do Japão deu conta de que a central nuclear de Tomari, em Hokkaido, recorreu a geradores de emergência para arrefecer o combustível, depois do corte de energia que afetou Hokkaido.

O terramoto ocorreu a 62 quilómetros a sudeste da capital regional, Sapporo e a 40 quilómetros de profundidade, apenas dois dias depois de um tufão ter devastado a região oeste de Osaka.

Uma réplica de magnitude 5,3 na escala de Richter foi registada alguns momentos depois em Hokkaido.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.