Sobe para 18 número de mortos devido a sismo no Japão

Abalo ocorreu a 62 quilómetros a sudeste de Sapporo e a 40 quilómetros de profundidade

Pelo menos 18 pessoas morreram e 22 estão desaparecidas na sequência do terramoto de magnitude 6,7 na escala de Richter que atingiu na quinta-feira a ilha de Hokkaido, no Japão, segundo novo balanço divulgado esta sexta-feira.

"Muitas pessoas ainda estão soterradas, estamos a trabalhar incansavelmente, mas os esforços de resgate são difíceis", referiu um soldado das Forças de Autodefesa (SDF), em entrevista à televisão pública NHK, que reportou 18 mortos e 22 desaparecidos.

"Faremos o nosso melhor para encontrá-los rapidamente", garantiu.

Em Atsuma, registaram-se 14 mortos após o sismo que provocou deslizamentos de terra, que por sua vez destruíram casas.

Mais de três milhões de habitações estão sem eletricidade, os transportes públicos estão paralisados e as escolas encerradas.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que 25 mil soldados e outros funcionários vão ser enviados para a região, de forma a ajudarem nas operações de resgate.

Já o órgão regulador nuclear do Japão deu conta de que a central nuclear de Tomari, em Hokkaido, recorreu a geradores de emergência para arrefecer o combustível, depois do corte de energia que afetou Hokkaido.

O terramoto ocorreu a 62 quilómetros a sudeste da capital regional, Sapporo e a 40 quilómetros de profundidade, apenas dois dias depois de um tufão ter devastado a região oeste de Osaka.

Uma réplica de magnitude 5,3 na escala de Richter foi registada alguns momentos depois em Hokkaido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.