14 mortos em tentativa de assalto a bancos no Brasil

O número de mortos numa tentativa de assalto a bancos com reféns no nordeste do Brasil subiu hoje para 14, informaram as autoridades.

A tentativa de assalto ocorreu na madrugada de sexta-feira na cidade de Milagres, no estado do Ceará. O balanço anterior de vítimas ascendia a pelo menos 11 mortos.

Segundo a polícia militar, um grupo armado fez como reféns pessoas que viajavam na autoestrada em direção a Milagres, cidade com 30 mil habitantes.

A mesma fonte indicou que os atacantes tencionavam levar os reféns para dois bancos quando foram intercetados pela polícia, que disparou.

Cinco dos oito atacantes morreram durante o tiroteio com a polícia, enquanto outros dois morreram ao fim de poucas horas no hospital. Um oitavo suspeito morreu num outro confronto com a polícia, na periferia de Milagres.

Seis reféns, entre os quais duas crianças, foram assassinados pelo grupo armado, de acordo com o presidente da Câmara de Milagres, Lielson Macedo Landim.

A polícia militar deteve três suspeitos e apreendeu explosivos, armas de fogo e três viaturas.

O estado do Ceará é um dos mais violentos do Brasil, com 59 mortes por cem mil habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.