14 mortos em tentativa de assalto a bancos no Brasil

O número de mortos numa tentativa de assalto a bancos com reféns no nordeste do Brasil subiu hoje para 14, informaram as autoridades.

A tentativa de assalto ocorreu na madrugada de sexta-feira na cidade de Milagres, no estado do Ceará. O balanço anterior de vítimas ascendia a pelo menos 11 mortos.

Segundo a polícia militar, um grupo armado fez como reféns pessoas que viajavam na autoestrada em direção a Milagres, cidade com 30 mil habitantes.

A mesma fonte indicou que os atacantes tencionavam levar os reféns para dois bancos quando foram intercetados pela polícia, que disparou.

Cinco dos oito atacantes morreram durante o tiroteio com a polícia, enquanto outros dois morreram ao fim de poucas horas no hospital. Um oitavo suspeito morreu num outro confronto com a polícia, na periferia de Milagres.

Seis reféns, entre os quais duas crianças, foram assassinados pelo grupo armado, de acordo com o presidente da Câmara de Milagres, Lielson Macedo Landim.

A polícia militar deteve três suspeitos e apreendeu explosivos, armas de fogo e três viaturas.

O estado do Ceará é um dos mais violentos do Brasil, com 59 mortes por cem mil habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.