Sobe para 104 o número de mortos em deslizamento de terras

Aluimento de terras ocorreu numa mina de jade no nordeste do país

As autoridades birmanesas elevaram hoje para 104 o número de mortos num deslizamento de terras ocorrido há três dias numa mina de jade no estado de Kachin, no nordeste do país.

O aluimento, que ocorreu na sexta-feira e o pior do ano, soterrou cerca de 80 casas na aldeia de Sankhatku, na cidade de Hpakant.

As operações de busca pelos desaparecidos prosseguem, estando no local equipas de salvamento com o apoio de 17 retroescavadoras.

O acidente aconteceu quando um grupo de mineiros vasculhava entre os escombros de resíduos deixados pelas escavadoras mecânicas usadas pelas empresas mineiras que fazem extração de jade.

Os deslizamentos de terras são comuns nesta zona, onde os residentes tentam a sorte entre pilhas de escombros, durante a noite, na esperança de encontrar pedaços de jade que podem valer milhares de dólares.

É da Birmânia que vem quase todo o jade de elevada qualidade do mundo, uma pedra verde quase translúcida muito valorizada na China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.