Representante dos EUA diz que Rússia é responsável pelo envenenamento de ex-espião

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha Yulia, de 33, foram encontrados inconscientes em Inglaterra. Caso já está a causar tensão entre a Rússia e o Reino Unido

A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, afirmou esta quarta-feira, numa reunião do Conselho de Segurança em Londres, que a Rússia "é responsável" pelo envenenamento de um ex-espião russo no Reino Unido.

"Pensamos que a Rússia é responsável, disse Nikki Halley na reunião, convocada de urgência, referindo não se tratar de "um incidente isolado".

A embaixadora afirmou ainda, de acordo com a Agência France Presse, que "os EUA estão absolutamente solidários com o Reino Unido" nesta questão.

O ex-espião duplo de origem russa Serguei Skripal, 66 anos, e a filha Yulia, 33, foram encontrados inconscientes no dia 4 de março, num banco num centro comercial em Salisbury, no sul de Inglaterra, e estão hospitalizados em "estado crítico, mas estável".

Dias depois, o chefe da polícia antiterrorista britânica, Mark Rowley, revelou que Skripal e a filha tinham sido vítimas de um ataque deliberado com um agente neurotóxico, um componente químico que ataca o sistema nervoso e que pode ser fatal.

Na segunda-feira, numa intervenção no parlamento, a primeira-ministra britânica, Theresa May, considerou "muito provável" que a Rússia tivesse sido responsável pelo duplo envenenamento.

Hoje, May anunciou a "suspensão de contactos bilaterais" com Moscovo e a expulsão de 23 diplomatas russos, decisão que a embaixada russa em Londres classificou como "hostil", "inaceitável" e "injustificada".

A Rússia nega qualquer a responsabilidade no ataque, que já mereceu a condenação de vários governos, incluindo o de Portugal, e de dirigentes como os presidentes norte-americano, Donald Trump, e francês, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.