"Mentiras" dos suspeitos de envenenamento a Skripal são "um insulto à inteligência"

Afirmações surgem após uma entrevista a Ruslan Bochirov e Alexandre Petrov, alvos de um mandado de captura europeu emitido pela Scotland Yard no âmbito deste caso

O Governo britânico condenou esta quinta-feira as declarações dos dois suspeitos do envenenamento do ex-espião Serguei Skripal em março, em Inglaterra, classificando o facto de se apresentarem como simples turistas como "um insulto à inteligência da opinião pública".

"As mentiras e as invenções flagrantes expressas na entrevista a uma televisão estatal russa são um insulto à inteligência da opinião pública, são profundamente ofensivas para as vítimas deste ataque e para a sua família", declarou um porta-voz de Downing Street, numa conferência de imprensa em Londres.

"A polícia enunciou claramente as provas contra estes dois homens", frisou o porta-voz, acrescentando: "Uma arma química ilegal foi utilizada nas ruas do nosso país. Quatro pessoas ficaram gravemente doentes, uma mulher inocente morreu. A Rússia reage com desprezo".

Estas afirmações surgem na sequência da transmissão horas antes, pela estação pública de televisão russa RT, de uma entrevista a Ruslan Bochirov e Alexandre Petrov, que são alvo de um mandado de captura europeu emitido pela Scotland Yard no âmbito deste caso.

Os dois homens, que se assemelham às fotografias dos dois suspeitos divulgadas pelo Reino Unido, confirmaram os seus apelidos e o facto de terem visitado, a 04 de março, o dia em que Serguei Skripal e a sua filha foram envenenados, Salisbury, a cidade do sudoeste de Inglaterra onde residia o antigo agente secreto duplo, mas negaram ter tentado matá-lo.

"Nós somos aqueles que foram mostrados nas fotos: Ruslan Bochirov e Alexandre Petrov", afirmaram, precisando tratar-se dos seus verdadeiros nomes.

"Os nossos amigos há muito que nos sugeriam que visitássemos aquela cidade fabulosa", prosseguiram, indicando que queriam descobrir "a célebre catedral de Salisbury".

O Reino Unido acusa Moscovo de estar por detrás deste ataque que originou uma grave crise diplomática entre o Kremlin, que nega qualquer envolvimento, e o Ocidente.

Os Skripal sobreviveram ao envenenamento, bem como um polícia contaminado ao prestar-lhes socorro.

Em junho, outras duas pessoas foram contaminadas com a mesma substância, o agente neurotóxico Novitchok.

Dawn Sturgess, uma mulher de 44 anos com três filhos, foi hospitalizada em estado crítico e morreu a 08 de julho.

O marido, Charlie Rowley, melhorou e teve alta do hospital alguns dias depois.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."