Situação dos passageiros a bordo do Lifeline agrava-se devido ao mau tempo

Responsável da organização disse ter pedido ajuda a França e a Espanha depois de Itália e Malta terem recusado o desembarque do navio da organização, mas até ao momento não obteve resposta

A situação dos 234 migrantes a bordo do navio da organização não-governamental alemã Lifeline está a piorar devido ao mau tempo que se está a fazer sentir nas últimas horas no Mediterrâneo.

Segundo Axel Steier, fundador da organização Lifeline, os cooperantes que se encontram a bordo do navio informaram que a situação meteorológica na zona onde se encontra piorou, deteriorando-se a situação dos doentes e das crianças.

Axel Steier disse que uma das quatro crianças que se encontram na embarcação, viaja sem familiares.

"É uma situação que parte o coração", disse Axel Steier.

O fundador da organização não-governamental alemã acrescentou que durante a noite de segunda-feira foi necessário proceder-se à retirada de emergência de um dos migrantes que precisava de cuidados médicos.

O navio, com pavilhão holandês, pediu às autoridades de Malta o envio de um helicóptero, mas "depois de muito tempo foi enviada uma embarcação" que fez a transbordo do passageiro.

Devido ao mau tempo os 234 migrantes estão expostos ao frio, sendo que têm a roupa e os cobertores molhados pela chuva, frisou Axel Steier.

A maior parte dos 234 migrantes que foram resgatados pela embarcação na passada quarta-feira encontram-se no convés porque o interior do navio só tem espaço para 50 pessoas.

A organização alerta também que começam a faltar alimentos e que o combustível está a chegar ao fim.

"Os líderes europeus não podem imaginar o que se está a passar. Deveriam embarcar para ver isto", disse Axel Steier considerando que se trata de uma vergonha o que diz ser "abandono por parte da Europa".

O responsável pela organização Lifeline disse também que depois de a Itália e Malta terem recusado o desembarque pediu ajuda a França e a Espanha, mas não obteve resposta.

Entretanto, o navio dinamarquês Alexander Maersk com 108 migrantes a bordo foi autorizado a desembarcar na Sicília.

A embarcação com pavilhão da Dinamarca encontrava-se à deriva ao largo da Líbia.

Ler mais

Exclusivos