Sismos abalam fronteira entre Alasca e Yukon

No Yukon, cerca de 8000 pessoas ficaram sem eletricidade durante cerca de duas horas em várias localidades, segundo o diário Yukon News.

Vários sismos de magnitude superior a 6 na escala aberta de Richter foram registados esta segunda-feira no sudeste do estado norte-americano do Alasca, na fronteira com o território canadiano do Yukon, anunciou o Instituto Americano de Estudos Geológicos (USGS).

O epicentro do primeiro abalo, ocorrido às 12:31 TMG (13:31 de Lisboa), situou-se a 83 quilómetros a noroeste da localidade de Sakgway, no Alasca, quase à superfície.

Seguiram-se-lhe várias réplicas, a mais forte das quais atingiu uma magnitude de 5,2.

No Yukon, cerca de 8000 pessoas ficaram sem eletricidade durante cerca de duas horas em várias localidades, segundo o diário Yukon News.

"A eletricidade foi restabelecida para a maioria dos nossos clientes" pelas 09:00 locais (16:00 TMG e 17:00 de Lisboa), anunciou a companhia ATCO Electric.

Equipas de engenheiros foram também rapidamente destacadas para verificar a estrutura das barragens hidroelétricas e das unidades de gás líquido do território, indicou a empresa Yukon Energy.

Uma inspeção semelhante foi igualmente realizada numa escola da capital, Whitehorse, onde surgiram fissuras, de acordo com o Governo local.

O Governo canadiano "está a acompanhar atentamente" a situação, disse o ministro federal da Segurança Pública, Ralph Goodale.

Após o primeiro sismo, registou-se um segundo tremor de terra de magnitude 6,3 na mesma região, duas horas depois.

O epicentro destes abalos situou-se a 141 quilómetros a sudoeste de Whitehorse, no Yukon, segundo o organismo Séismes Canada.

A intensidade do primeiro sismo foi revista em baixa em relação à magnitude de 6,5 inicialmente anunciada, tal como a sua profundidade (para 2,2 quilómetros, em vez de 100 metros), e o segundo sismo ocorreu a 10 quilómetros de profundidade.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.