Sismo de magnitude 5,1 na Turquia provoca 39 feridos ligeiros

O terramoto sentiu-se na província de Adiyaman, a sudeste da Turquia, e fez 39 feridos ligeiros

Um sismo de magnitude 5,1 na escala de Richter na província de Adiyaman, sudeste da Turquia, provocou esta terça-feira pelo menos 39 feridos ligeiros, informou o ministro da Saúde, Ahmet Demircan.

"No terramoto ficaram feridas 39 pessoas, 35 delas estão a ser tratadas nos hospitais", declarou Demrican, em comunicado citado pela agência noticiosa estatal Anadolu.

O movimento sísmico ocorreu esta madrugada pelas 03:34 locais (01:34 em Lisboa), com epicentro em Samsat, no centro dessa província. Desde então já foram registadas 41 réplicas de uma magnitude entre 1,4 e 2,7 na escala de Richter.

O terramoto foi sentido nas províncias vizinhas de Sanliurfa, Gaziantep e Diyarbakir.

O presidente da Câmara Municipal de Samsat, Sedat Sezik, referiu que o sismo não provocou danos importantes na cidade. No entanto, o diário Hürriyet referiu-se à derrocada de alguns edifícios.

Em março de 2017, Samsat foi atingida por um sismo de magnitude 5,5 que provocou danos em 2.000 edifícios da cidade e povoações vizinhas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.