Sismo de 5,9 abala ilha Lombok, na Indonésia, o terceiro em 11 dias

No domingo, foi registado na mesma zona um sismo de magnitude 6,9, que causou pelo menos 164 mortos, 1400 feridos e 156 mil desalojados

Um novo sismo de magnitude 5,9 atingiu hoje a ilha Lombok, na Indonésia, o terceiro no espaço de 11 dias, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

O sismo ocorreu no norte da ilha Lombok, na mesma área onde tinha sido registado um sismo de magnitude 6,9 no domingo, que causou pelo menos 164 mortos, 1.400 feridos e 156 mil desalojados.

Segundo a agência geológica indonésia, o sismo não tem potencial para causar um tsunami.

O sismo de domingo, com o epicentro a dez mil metros de profundidade, tinha ocorrido uma semana após um outro abalo, também na ilha turística de Lombok, que provocou 17 mortos e mais de 300 feridos.

Após o terremoto de magnitude 6,9, no domingo, dezenas de milhares de casas foram destruídas. As autoridades admitiram que o número de mortos deveria aumentar à medida que as equipas de emergência continuam a limpar os escombros.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, ofereceu ajuda daquela organização ao país

Muitos moradores deixaram as habitações para se abrigarem em tendas ou abrigos temporários, sob o calor tropical que assola o arquipélago do Sudeste Asiático no verão. De acordo com as autoridades, há pessoas sem acesso a comida, água potável ou medicamentos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, ofereceu ajuda daquela organização ao país situado no chamado "Anel de Fogo do Pacífico", zona de grande atividade sísmica e vulcânica que regista cerca de sete mil terramotos por ano, na maioria moderados.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".