Síria: TV estatal denuncia "agressão" da coligação dirigida pelos Estados Unidos

Os ataques da coligação a tropas apoiadas pelo regime de Bashar al-Assad são raros

A televisão estatal síria qualificou hoje de "agressão" os ataques aéreos realizados durante a última noite pela coligação internacional anti-'jihadista' conduzida por Washington no leste do país, dando conta da morte de dezenas de combatentes.

"Numa nova agressão (...) as forças da coligação visaram as forças populares" na província de Deir Ezzor, no leste da Síria, afirmou a televisão, numa aparente alusão aos grupos paramilitares aliados do regime.

"As forças populares combatiam os terroristas do Daesh (acrónimo árabe do grupo extremista Estado Islâmico) e as Forças Democráticas Sírias (FDS) na parte oriental do Eufrates em Deir Ezzor", adiantou.

As FDS são uma aliança árabe-curda aliada de Washington na luta anti-'jihadista'.

A agência Sana, por seu turno, confirmou a existência de vários "mártires" nos ataques na noite de ontem para hoje, 8 de fevereiro, sem mais pormenores, enquanto uma fonte norte-americana evocou um balanço de 100 mortos.

A coligação afirmou num comunicado que "forças aliadas do regime (sírio) realizaram a 07 de fevereiro um ataque injustificado" contra uma posição das FDS, situada a "oito quilómetros a leste do Eufrates", precisando que membros da coligação, destacados numa missão "consultiva e de apoio" às forças curdas, se encontravam no local no momento do ataque.

Os ataques da coligação a tropas apoiadas pelo regime de Bashar al-Assad são raros.

Os Estados Unidos e a Rússia, que apoiam forças rivais na província de Deir Ezzor, rica em petróleo, têm mantido contactos próximos para evitar o atrito.

Exclusivos