PM turco diz que EUA e Rússia "brigam como arruaceiros"

Disse ainda para os países pararem com o que chama "briga de rua"

O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildrim, exortou esta quarta-feira a Rússia e os Estados Unidos a pararem com "a briga de rua" sobre possíveis ataques à Síria em resposta ao ataque químico contra a cidade rebelde de Douma.

"Um diz 'Eu tenho mísseis melhores', o outro diz 'Não, eu é que tenho os melhores mísseis' [...] É uma briga de rua, brigam como arruaceiros. Esta não é a altura para lutar, é altura de sarar as feridas da região", disse o chefe do governo turco numa conferência económica.

"Quem paga o preço? [...] Os civis", disse também.

As declarações de Yildrim foram feitas horas depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter afirmado no Twitter que os Estados Unidos vão lançar mísseis contra alvos na Síria como retaliação pelo ataque químico contra Douma, atribuído por organizações no terreno e países ocidentais ao regime sírio.

Em resposta, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, sugeriu que os mísseis norte-americanos vão "apagar vestígios" do ataque.

"Nestes dias, os membros permanentes do Conselho de Segurança [da ONU] têm uma responsabilidade ainda maior. E que fazem eles? Ameaçam-se no Twitter", disse o primeiro-ministro turco.

A Turquia é um ator chave do conflito na Síria, no qual apoia a oposição ao regime de Bashar al-Assad, mas coopera com a Rússia e tem como prioridade combater as milícias curdas do norte do país, apoiadas pelos Estados Unidos.

Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram "nenhum vestígio" de substâncias químicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.