PM turco diz que EUA e Rússia "brigam como arruaceiros"

Disse ainda para os países pararem com o que chama "briga de rua"

O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildrim, exortou esta quarta-feira a Rússia e os Estados Unidos a pararem com "a briga de rua" sobre possíveis ataques à Síria em resposta ao ataque químico contra a cidade rebelde de Douma.

"Um diz 'Eu tenho mísseis melhores', o outro diz 'Não, eu é que tenho os melhores mísseis' [...] É uma briga de rua, brigam como arruaceiros. Esta não é a altura para lutar, é altura de sarar as feridas da região", disse o chefe do governo turco numa conferência económica.

"Quem paga o preço? [...] Os civis", disse também.

As declarações de Yildrim foram feitas horas depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter afirmado no Twitter que os Estados Unidos vão lançar mísseis contra alvos na Síria como retaliação pelo ataque químico contra Douma, atribuído por organizações no terreno e países ocidentais ao regime sírio.

Em resposta, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, sugeriu que os mísseis norte-americanos vão "apagar vestígios" do ataque.

"Nestes dias, os membros permanentes do Conselho de Segurança [da ONU] têm uma responsabilidade ainda maior. E que fazem eles? Ameaçam-se no Twitter", disse o primeiro-ministro turco.

A Turquia é um ator chave do conflito na Síria, no qual apoia a oposição ao regime de Bashar al-Assad, mas coopera com a Rússia e tem como prioridade combater as milícias curdas do norte do país, apoiadas pelos Estados Unidos.

Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram "nenhum vestígio" de substâncias químicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".