PM turco diz que EUA e Rússia "brigam como arruaceiros"

Disse ainda para os países pararem com o que chama "briga de rua"

O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yildrim, exortou esta quarta-feira a Rússia e os Estados Unidos a pararem com "a briga de rua" sobre possíveis ataques à Síria em resposta ao ataque químico contra a cidade rebelde de Douma.

"Um diz 'Eu tenho mísseis melhores', o outro diz 'Não, eu é que tenho os melhores mísseis' [...] É uma briga de rua, brigam como arruaceiros. Esta não é a altura para lutar, é altura de sarar as feridas da região", disse o chefe do governo turco numa conferência económica.

"Quem paga o preço? [...] Os civis", disse também.

As declarações de Yildrim foram feitas horas depois de o presidente norte-americano, Donald Trump, ter afirmado no Twitter que os Estados Unidos vão lançar mísseis contra alvos na Síria como retaliação pelo ataque químico contra Douma, atribuído por organizações no terreno e países ocidentais ao regime sírio.

Em resposta, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, sugeriu que os mísseis norte-americanos vão "apagar vestígios" do ataque.

"Nestes dias, os membros permanentes do Conselho de Segurança [da ONU] têm uma responsabilidade ainda maior. E que fazem eles? Ameaçam-se no Twitter", disse o primeiro-ministro turco.

A Turquia é um ator chave do conflito na Síria, no qual apoia a oposição ao regime de Bashar al-Assad, mas coopera com a Rússia e tem como prioridade combater as milícias curdas do norte do país, apoiadas pelos Estados Unidos.

Mais de 40 pessoas morreram no sábado num ataque contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, que segundo organizações não-governamentais no terreno foi realizado com armas químicas.

A oposição síria e vários países acusam o regime de Bashar al-Assad da autoria do ataque, mas Damasco nega e o seu principal aliado, a Rússia, afirmou que peritos russos que se deslocaram ao local não encontraram "nenhum vestígio" de substâncias químicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.