16 mortos em atentado a esquadra de polícia em Damasco

"Dois terroristas suicidas fizeram-se explodir" segundo as autoridades

O balanço do duplo atentado suicida ocorrido hoje contra uma esquadra de polícia em Damasco subiu para 16 mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Aquela organização não-governamental (ONG) referiu que pelo menos 16 pessoas morreram no ataque, sendo oito polícias, quatro civis e que outras quatro vítimas ainda não foram identificadas.

Esta esquadra já havia sido atingida por outro ataque há cerca de 10 meses.

O ataque visou uma esquadra de polícia no bairro de Midane, uma área comercial no sul da capital da Síria.

"Dois terroristas suicidas fizeram-se explodir (...) causando mortes entre civis e membros da polícia", anunciou o Ministério do Interior.

"Um dos dois atacantes conseguiu subir ao primeiro piso da esquadra, declarou o ministro do Interior", Mohammed Ibrahim al-Chaar, à televisão estatal síria.

De acordo com o OSDH, o duplo atentado suicida foi precedido pela explosão de um carro bomba nas proximidades da esquadra de polícia.

A capital síria está nas mãos do Governo do Presidente Bashar al-Assad, embora os rebeldes detenham algumas áreas, incluindo o distrito de Jobar, que está quase destruído.

Damasco é alvo, por vezes, de bombardeios pelos rebeldes, que ocupam certas localidades nas imediações, especialmente a leste de Ghouta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.