16 mortos em atentado a esquadra de polícia em Damasco

"Dois terroristas suicidas fizeram-se explodir" segundo as autoridades

O balanço do duplo atentado suicida ocorrido hoje contra uma esquadra de polícia em Damasco subiu para 16 mortos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Aquela organização não-governamental (ONG) referiu que pelo menos 16 pessoas morreram no ataque, sendo oito polícias, quatro civis e que outras quatro vítimas ainda não foram identificadas.

Esta esquadra já havia sido atingida por outro ataque há cerca de 10 meses.

O ataque visou uma esquadra de polícia no bairro de Midane, uma área comercial no sul da capital da Síria.

"Dois terroristas suicidas fizeram-se explodir (...) causando mortes entre civis e membros da polícia", anunciou o Ministério do Interior.

"Um dos dois atacantes conseguiu subir ao primeiro piso da esquadra, declarou o ministro do Interior", Mohammed Ibrahim al-Chaar, à televisão estatal síria.

De acordo com o OSDH, o duplo atentado suicida foi precedido pela explosão de um carro bomba nas proximidades da esquadra de polícia.

A capital síria está nas mãos do Governo do Presidente Bashar al-Assad, embora os rebeldes detenham algumas áreas, incluindo o distrito de Jobar, que está quase destruído.

Damasco é alvo, por vezes, de bombardeios pelos rebeldes, que ocupam certas localidades nas imediações, especialmente a leste de Ghouta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.