Rebeldes e civis começam a abandonar cidade a norte de Damasco

Entraram em Al-Dumayr, a nodeste de Damasco, 20 autocarros para retirar a população

Quatro autocarros com combatentes do grupo Exército do Islão e civis deixaram esta quinta-feira a cidade de Al-Dumayr, a nordeste de Damasco, na Síria, informou a televisão oficial e os ativistas.

O processo de saída, acordado entre as autoridades sírias e os rebeldes, deverá permitir que um total de 5.000 pessoas abandone Al-Dumayr, entre as quais 1.500 membros do Exército do Islão.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos disse que 20 autocarros entraram em Al-Dumayr para a retirada da população.

Os autocarros devem dirigir-se para Jarablus, zona sob domínio da oposição, no norte da Síria, segundo a televisão. Desconhece-se se todas as pessoas sairão esta quinta-feira.

Na quarta-feira, os guerrilheiros do Exército do Islão entregaram armamento às autoridades sírias, um passo prévio à saída autorizada da cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.