"Atingimos com sucesso cada alvo"

"Não tencionamos intervir no conflito na Síria, mas não podemos permitir tais violações das leis internacionais", afirmou o Departamento de Defesa norte-americano

EM DIRETO: TUDO O QUE SE PASSA NA GUERRA NA SÍRIA

Os Estados Unidos afirmaram hoje ter "atingido com sucesso" todos os alvos sírios que estavam previstos na ação militar realizada por Washington, Paris e Londres em resposta ao alegado ataque químico na cidade síria de Douma.

"Não tencionamos intervir no conflito na Síria, mas não podemos permitir tais violações das leis internacionais", disse a porta-voz do Departamento de Defesa norte-americano (Pentágono), Dana White, numa conferência de imprensa.

"Atingimos com sucesso cada alvo", acrescentou a porta-voz.

O general Kenneth McKenzie, referiu que os ataques ocidentais realizados hoje de madrugada representaram um grande golpe para o programa de armas químicas da Síria e que "levará anos para recuperar"

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje de madrugada uma série de ataques com mísseis contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco. O presumível ataque químico foi realizado faz hoje uma semana.

A porta-voz do Pentágono reiterou as palavras escritas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, poucas horas antes na rede social Twitter e afirmou que a "missão foi cumprida".

Num 'tweet', Trump disse que a missão tinha sido cumprida e que o resultado dos ataques realizados hoje pelos Estados Unidos, em conjunto com o Reino Unido e a França, contra alvos na Síria "não poderia ter sido melhor". Também disse que o ataque foi "perfeitamente executado".

As agências internacionais estão a recordar que em 2003 o então Presidente norte-americano, George W. Bush, também usou a frase "missão cumprida" quando declarou que as principais operações de combate no Iraque tinham acabado. A afirmação, contudo, não se cumpriu e a guerra no território iraquiano arrastou-se por vários anos.

Na mesma conferência de imprensa, um alto responsável do Pentágono, o general Kenneth McKenzie, referiu que os ataques ocidentais realizados hoje de madrugada representaram um grande golpe para o programa de armas químicas da Síria e que "levará anos para recuperar".

As unidades de defesa antiaéreas russas, um dos principais aliados de Damasco, não foram ativadas e as do regime sírio só foram após o fim dos ataques, acrescentou o general McKenzie.

Ainda nesta conferência de imprensa, o Pentágono disse que a "campanha de desinformação" por parte da Rússia começou logo após os ataques realizados hoje de madrugada.

Dana White afirmou que "foi registado um aumento de 2000% de 'trolls' russos [pessoas que executam campanhas de desinformação na Internet através de notícias falsas e comentários] nas últimas 24 horas".

O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se hoje a partir das 15:00 TMG (16:00 em Lisboa) para analisar o ataque conjunto dos Estados Unidos, Reino Unido e França contra alvos na Síria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.