Pelo menos 66 mortos em ataques do grupo Estado Islâmico

Maioria das vítimas morreu em combates entre o Exército de Khalid bin Walid

Pelo menos 66 pessoas morreram entre quarta-feira e hoje em ataques do grupo extremista Estado Islâmico no sul e nordeste da Síria, indicou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Daquele total, pelo menos 41 morreram hoje em combates entre o Exército de Khalid bin Walid, organização ligada ao Estado Islâmico, e fações islâmicas entre as quais se encontra o ex-ramo sírio da Al-Qaida.

Segundo a agência noticiosa espanhola EFE, o Exército de Khalid bin Walid domina cerca de 250 quilómetros quadrados de território (0,13% da Síria) no oeste de Daraa, próxima da fronteira com Israel.

O Estado Islâmico também continua a ofensiva contra a cidade de Mayadin, no leste da província de Deir Ezzor, onde pelo menos 25 milicianos, sírios e estrangeiros, das forças pró-governamentais morreram nas últimas 48 horas.

O exército sírio e os seus aliados recuperaram o domínio de Mayadin em meados de outubro, mas os 'jihadistas' têm atacado a cidade em diversas ocasiões desde então.

Tendo proclamado um califado em zonas da Síria e do Iraque em junho de 2014, o Estado Islâmico perdeu grande parte do território que controlava em ambos os países no último ano.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.