Onze mortos por raides aéreos no noroeste da Síria

Há várias pessoas debaixo dos escombros. Número de mortos deverá ser superior

Onze civis foram hoje mortos no noroeste da Síria durante um raide aéreo alegadamente russo, aliado do regime de damasco, anunciou o Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH).

O raide, que atingiu uma zona residencial na região de Zardane, na província de Idlib, provocou também ferimentos em outros 50 civis, segundo o OSDH.

O número de mortos e feridos deverá aumentar já que há várias pessoas debaixo dos escombros, segundo o responsável do Observatório Rami Abdel Rahman.

A maior parte da província de Idlib é controlada pelo governo de Damasco, mas tem vários grupos de rebeldes ou jihadistas.

Segundo o OSDH o conflito da Síria já matou mais de 350 mil pessoas.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos 'jihadistas', e várias frentes de combate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.