Onze mortos por raides aéreos no noroeste da Síria

Há várias pessoas debaixo dos escombros. Número de mortos deverá ser superior

Onze civis foram hoje mortos no noroeste da Síria durante um raide aéreo alegadamente russo, aliado do regime de damasco, anunciou o Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH).

O raide, que atingiu uma zona residencial na região de Zardane, na província de Idlib, provocou também ferimentos em outros 50 civis, segundo o OSDH.

O número de mortos e feridos deverá aumentar já que há várias pessoas debaixo dos escombros, segundo o responsável do Observatório Rami Abdel Rahman.

A maior parte da província de Idlib é controlada pelo governo de Damasco, mas tem vários grupos de rebeldes ou jihadistas.

Segundo o OSDH o conflito da Síria já matou mais de 350 mil pessoas.

Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos 'jihadistas', e várias frentes de combate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.