Mais de 920.000 deslocados em 2018. Um recorde desde o início do conflito

Estatísticas da ONU dão conta que, no total, 6,2 milhões de sírios abandonaram as suas casas no interior do país e cerca de 5,6 milhões continuam refugiados nos países vizinhos

Mais de 920.000 pessoas foram deslocadas na Síria durante os primeiros quatro meses do ano, um número recorde desde o início do conflito há sete anos, anunciou esta segunda-feira a ONU.

É o maior número de deslocados num curto período de tempo desde que o conflito começou

"Assistimos a um deslocamento em massa no interior da Síria (...) De janeiro a abril houve 920.000 novos deslocados", declarou Panos Moumtzis, coordenador humanitário da ONU para a Síria, numa conferência de imprensa em Genebra.

No total, 6,2 milhões de sírios abandonaram as suas casas no interior do país e cerca de 5,6 milhões continuam refugiados nos países vizinhos

"É o maior número de deslocados num curto período de tempo desde que o conflito começou", adiantou.

No total, 6,2 milhões de sírios abandonaram as suas casas no interior do país e cerca de 5,6 milhões continuam refugiados nos países vizinhos, de acordo com os números das Nações Unidas.

Moumtzis precisou que os novos deslocados foram obrigados a partir devido à escalada dos combates no antigo bastião rebelde de Ghouta oriental, nos arredores de Damasco, e na província de Idleb (noroeste), que é quase na totalidade controlada por islamitas e grupos rebeldes extremistas.

Vários ataques aéreos em Idleb causaram recentemente dezenas de mortos, incluindo crianças.

Panos Moimtzis, coordenador humanitário da ONU para a Síria, receia que "talvez não se tenha visto o pior da crise"

Moumtzis teme que a situação em Idleb, onde vivem 2,5 milhões de pessoas, possa agravar a situação.

"Estamos preocupados por ver que 2,5 milhões de pessoas estão a ser cada vez mais empurradas para a fronteira turca", disse, receando que "talvez não se tenha visto o pior da crise".

Após a ofensiva bem-sucedida do regime contra a cidade de Alepo e na Ghouta oriental, os rebeldes e civis foram transferidos para Idleb, mas para os habitantes desta cidade "não há outra Idleb para onde os enviar", sublinhou Moumtzis.

A guerra na Síria, desencadeada em 2011 pela repressão de manifestações pacíficas a favor de reformas democráticas, causou mais de 350.000 mortos e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.