Irão diz aos EUA para não tomarem decisões "estúpidas"

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iranianos sublinhou que "as nações da região demonstraram que não aceitarão a presença estrangeira"

O Irão instou hoje os Estados Unidos a não tomarem decisões "estúpidas" sobre a Síria, depois de Washington ter ameaçado usar a força de forma unilateral no país árabe.

Na sua conferência de imprensa semanal, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Bahram Qasemi, aconselhou Washington a reconsiderar qualquer política intervencionista no Médio Oriente e respetivas consequências.

"Que os Estados Unidos empreendam ações hostis contra os países da região não é nada de novo, mas não pode intervir", disse Qasemi, classificando uma ação unilateral desse tipo como "uma espécie de invasão".

O porta-voz sublinhou que "as nações da região demonstraram que não aceitarão a presença estrangeira".

Defendeu também o papel do Irão na Síria, onde tem conselheiros militares e milicianos, alegando que o Governo do Presidente Bashar al-Assad solicitou essa ajuda.

Há dois dias, os Estados Unidos propuseram na ONU uma resolução para um cessar-fogo em Damasco e Ghouta Oriental, bastião da oposição, e avisaram que, se a comunidade internacional não agir, poderão fazê-lo sozinhos e usando a força.

"Não é a via que preferimos, mas é um caminho que temos demonstrado que podemos tomar e estamos prontos para fazê-lo outra vez", afirmou a embaixadora norte-americana, Nikki Haley, num discurso proferido perante o Conselho de Segurança da ONU.

Embora não tenha precisado o que poderá desencadear essa ação, nem indicado medidas concretas, a diplomata sugeriu que elas poderão passar por ações militares, recordando o bombardeamento que os Estados Unidos efetuaram contra uma base síria a partir da qual alegadamente se realizou um ataque com armas químicas no ano passado.

Haley acusou ainda o regime sírio e os seus aliados -- Rússia e Irão -- de utilizarem como desculpa para "continuarem a sua guerra" uma resolução de cessar-fogo na Ghouta Oriental aprovada em fevereiro, que autorizava as operações contra grupos terroristas, apesar da suspensão das hostilidades.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.