Irão diz aos EUA para não tomarem decisões "estúpidas"

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iranianos sublinhou que "as nações da região demonstraram que não aceitarão a presença estrangeira"

O Irão instou hoje os Estados Unidos a não tomarem decisões "estúpidas" sobre a Síria, depois de Washington ter ameaçado usar a força de forma unilateral no país árabe.

Na sua conferência de imprensa semanal, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Bahram Qasemi, aconselhou Washington a reconsiderar qualquer política intervencionista no Médio Oriente e respetivas consequências.

"Que os Estados Unidos empreendam ações hostis contra os países da região não é nada de novo, mas não pode intervir", disse Qasemi, classificando uma ação unilateral desse tipo como "uma espécie de invasão".

O porta-voz sublinhou que "as nações da região demonstraram que não aceitarão a presença estrangeira".

Defendeu também o papel do Irão na Síria, onde tem conselheiros militares e milicianos, alegando que o Governo do Presidente Bashar al-Assad solicitou essa ajuda.

Há dois dias, os Estados Unidos propuseram na ONU uma resolução para um cessar-fogo em Damasco e Ghouta Oriental, bastião da oposição, e avisaram que, se a comunidade internacional não agir, poderão fazê-lo sozinhos e usando a força.

"Não é a via que preferimos, mas é um caminho que temos demonstrado que podemos tomar e estamos prontos para fazê-lo outra vez", afirmou a embaixadora norte-americana, Nikki Haley, num discurso proferido perante o Conselho de Segurança da ONU.

Embora não tenha precisado o que poderá desencadear essa ação, nem indicado medidas concretas, a diplomata sugeriu que elas poderão passar por ações militares, recordando o bombardeamento que os Estados Unidos efetuaram contra uma base síria a partir da qual alegadamente se realizou um ataque com armas químicas no ano passado.

Haley acusou ainda o regime sírio e os seus aliados -- Rússia e Irão -- de utilizarem como desculpa para "continuarem a sua guerra" uma resolução de cessar-fogo na Ghouta Oriental aprovada em fevereiro, que autorizava as operações contra grupos terroristas, apesar da suspensão das hostilidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.