EUA acreditam que Damasco usou cloro e sarin em Douma

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje de madrugada uma série de ataques com mísseis contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria

EM DIRETO: TUDO O QUE SE PASSA NA GUERRA NA RÚSSIA

Os Estados Unidos revelaram este sábado ter informações que apontam para que o regime sírio tenha utilizado no ataque químico em Douma, a 07 de abril, dois tipos de gases, cloro e sarin, segundo uma alta responsável da administração norte-americana.

"Agora que as informações disponíveis são mais claras sobre o uso de cloro, temos também informações significativas que dão conta igualmente do uso de sarin", disse a mesma responsável, que falou à comunicação social sob a condição de anonimato, referindo que estas informações são corroboradas com os sintomas relatados por várias testemunhas.

O gás sarin é um agente neurotóxico muito forte e foi utilizado, em abril de 2017, durante um ataque na localidade de Khan Sheikhun, no noroeste sírio. A ação, também atribuída ao regime sírio, desencadeou igualmente uma retaliação por parte dos Estados Unidos.

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje de madrugada uma série de ataques com mísseis contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco.

O presumível ataque químico foi realizado faz hoje uma semana e terá provocado mais de 40 mortos e afetado cerca de 500 pessoas.

"Testemunhos presenciais corroboram que as bombas foram lançadas a partir de helicópteros do regime", explicou a representante norte-americana, que denunciou que nenhuma das alegações feitas tanto pelo Governo sírio como pela Rússia, aliado de Damasco, "coincidem" com a informação recolhida por Washington.

Algumas vítimas, explicou a mesma fonte, revelaram sintomas que não coincidem com os efeitos da exposição ao gás cloro, mas que correspondem ao uso de um agente neurotóxico, como o gás sarin. "Acreditamos que os dois foram usados no ataque", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.