Estado Islâmico será derrotado em "algumas semanas" no leste

General francês acredita que os combates terminam no final do verão

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) será derrotado militarmente no leste da Síria dentro de "algumas semanas", provavelmente no "final do verão", previu hoje o general francês Frédéric Parisot.

"Ainda existem duas bolsas e dentro de algumas semanas, penso que podemos dizer com tranquilidade que o Daesh (acrónimo árabe de Estado Islâmico) não controlará mais qualquer território na nossa zona de operações", declarou o militar a partir de Bagdad, onde representa a França junto do comando da coligação internacional anti-EI sob direção norte-americana.

"A melhor estimativa para o final dos combates no vale médio do Eufrates é provavelmente o fim do verão", adiantou na conferência de imprensa semanal do Ministério das Forças Armadas em Paris.

O grupo extremista foi expulso de quase todo o vasto território que tinha conquistado em 2014 no Iraque e na Síria. Apenas mantém algumas bolsas no deserto no centro da Síria, na província de Homs, e no leste do país, ao longo da fronteira com o Iraque.

Os 'jihadistas' estão também presentes no sudoeste, onde são alvo de ataques por parte do regime sírio e do seu aliado russo. Existem ainda células ativas na província de Idleb (noroeste sírio) e no deserto no Iraque, na fronteira com a Síria.

"O último combate do Daesh será realmente entre Abu Kamal e Mayadin (província de Deir Ezzor) nas próximas semanas", disse o general Parisot.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança curdo-árabe apoiada pela coligação internacional, lançaram no início de maio a última fase da sua ofensiva para acabar com a presença do EI no leste da Síria.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, tinha inicialmente previsto para fevereiro o final das operações da coligação, mas o calendário foi alterado devido a uma ofensiva turca que levou a um destacamento das forças curdas para o norte.

"Não temos tropas terrestres, são as FDS que estão no solo. Por isso, as coisas são feitas ao seu ritmo", referiu Parisot.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.