Estado Islâmico será derrotado em "algumas semanas" no leste

General francês acredita que os combates terminam no final do verão

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) será derrotado militarmente no leste da Síria dentro de "algumas semanas", provavelmente no "final do verão", previu hoje o general francês Frédéric Parisot.

"Ainda existem duas bolsas e dentro de algumas semanas, penso que podemos dizer com tranquilidade que o Daesh (acrónimo árabe de Estado Islâmico) não controlará mais qualquer território na nossa zona de operações", declarou o militar a partir de Bagdad, onde representa a França junto do comando da coligação internacional anti-EI sob direção norte-americana.

"A melhor estimativa para o final dos combates no vale médio do Eufrates é provavelmente o fim do verão", adiantou na conferência de imprensa semanal do Ministério das Forças Armadas em Paris.

O grupo extremista foi expulso de quase todo o vasto território que tinha conquistado em 2014 no Iraque e na Síria. Apenas mantém algumas bolsas no deserto no centro da Síria, na província de Homs, e no leste do país, ao longo da fronteira com o Iraque.

Os 'jihadistas' estão também presentes no sudoeste, onde são alvo de ataques por parte do regime sírio e do seu aliado russo. Existem ainda células ativas na província de Idleb (noroeste sírio) e no deserto no Iraque, na fronteira com a Síria.

"O último combate do Daesh será realmente entre Abu Kamal e Mayadin (província de Deir Ezzor) nas próximas semanas", disse o general Parisot.

As Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança curdo-árabe apoiada pela coligação internacional, lançaram no início de maio a última fase da sua ofensiva para acabar com a presença do EI no leste da Síria.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, tinha inicialmente previsto para fevereiro o final das operações da coligação, mas o calendário foi alterado devido a uma ofensiva turca que levou a um destacamento das forças curdas para o norte.

"Não temos tropas terrestres, são as FDS que estão no solo. Por isso, as coisas são feitas ao seu ritmo", referiu Parisot.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.