Erdogan e Putin debatem em Moscovo situação pós-retirada dos EUA da Síria

"O objetivo da visita é sobretudo coordenar com a Rússia a situação que surgirá depois da retirada dos Estados Unidos" da Síria, informou o porta-voz da Presidência turca

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, desloca-se esta quarta-feira a Moscovo para negociar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, possíveis soluções para o conflito na Síria após o anúncio da retirada das tropas norte-americanas do país.

Segundo o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, "o objetivo da visita é sobretudo coordenar com a Rússia a situação que surgirá depois da retirada dos Estados Unidos" da Síria.

Washington anunciou em dezembro passado a partida de território sírio dos cerca de 2 000 soldados norte-americanos que aí se encontram, justificando a retirada com a derrota do grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas os 'jihadistas', entrincheirados em pequenos setores no leste da Síria, continuam a perpetrar atentados mortíferos.

Ancara está a negociar com Washington criar e controlar uma faixa de segurança de 32 quilómetros de largura, ao longo da fronteira turco-síria, dela expulsando as milícias sírias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), aliadas dos Estados Unidos na luta contra o EI.

A Turquia considera as YPG uma entidade terrorista devido à sua ligação ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha turca curda, e quer acabar com a administração autónoma que as milícias curdas instalaram no norte da Síria -- uma ideia que desagrada à Rússia, porque dificultará que o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, que Moscovo apoia, recupere o controlo sobre esse território.

"Estamos convencidos de que a única opção e a melhor é a transferência desses territórios para o controlo do Governo sírio, o exército sírio e as administrações locais", disse recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov.

Moscovo e Ancara apoiam grupos opositores na Síria: o apoio militar russo é vital para o regime, ao passo que as tropas turcas armam e apoiam as milícias islâmicas surgidas da rebelião contra o regime de Damasco.

Cimeira entre Erdogan, Putin e o presidente iraniano

A possibilidade de, perante um avanço turco, as YPG preferirem entregar o território a Assad preocupa Ancara, mas é do agrado de Moscovo, pelo que a retirada norte-americana poderá abrir novos conflitos de interesses entre a Turquia e a Rússia.

"Aplaudimos e apoiamos os contactos iniciados entre representantes curdos e as autoridades sírias com o objetivo de acordar como restaurar a vida num Estado único sem ingerência externa", afirmou Lavrov.

Erdogan anunciou também para breve uma cimeira tripartida com Putin e o Presidente iraniano, Hassan Rohani, que se prevê possa realizar-se nos próximos meses.

Esta primeira viagem de Erdogan ao estrangeiro este ano reflete a estreita comunicação que mantém com Putin: em 2018, os dois líderes falaram por telefone 18 vezes e reuniram-se pessoalmente sete vezes, segundo dados da agência Anadolu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.