Erdogan e Putin debatem em Moscovo situação pós-retirada dos EUA da Síria

"O objetivo da visita é sobretudo coordenar com a Rússia a situação que surgirá depois da retirada dos Estados Unidos" da Síria, informou o porta-voz da Presidência turca

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, desloca-se esta quarta-feira a Moscovo para negociar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, possíveis soluções para o conflito na Síria após o anúncio da retirada das tropas norte-americanas do país.

Segundo o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin, "o objetivo da visita é sobretudo coordenar com a Rússia a situação que surgirá depois da retirada dos Estados Unidos" da Síria.

Washington anunciou em dezembro passado a partida de território sírio dos cerca de 2 000 soldados norte-americanos que aí se encontram, justificando a retirada com a derrota do grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas os 'jihadistas', entrincheirados em pequenos setores no leste da Síria, continuam a perpetrar atentados mortíferos.

Ancara está a negociar com Washington criar e controlar uma faixa de segurança de 32 quilómetros de largura, ao longo da fronteira turco-síria, dela expulsando as milícias sírias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), aliadas dos Estados Unidos na luta contra o EI.

A Turquia considera as YPG uma entidade terrorista devido à sua ligação ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha turca curda, e quer acabar com a administração autónoma que as milícias curdas instalaram no norte da Síria -- uma ideia que desagrada à Rússia, porque dificultará que o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, que Moscovo apoia, recupere o controlo sobre esse território.

"Estamos convencidos de que a única opção e a melhor é a transferência desses territórios para o controlo do Governo sírio, o exército sírio e as administrações locais", disse recentemente o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov.

Moscovo e Ancara apoiam grupos opositores na Síria: o apoio militar russo é vital para o regime, ao passo que as tropas turcas armam e apoiam as milícias islâmicas surgidas da rebelião contra o regime de Damasco.

Cimeira entre Erdogan, Putin e o presidente iraniano

A possibilidade de, perante um avanço turco, as YPG preferirem entregar o território a Assad preocupa Ancara, mas é do agrado de Moscovo, pelo que a retirada norte-americana poderá abrir novos conflitos de interesses entre a Turquia e a Rússia.

"Aplaudimos e apoiamos os contactos iniciados entre representantes curdos e as autoridades sírias com o objetivo de acordar como restaurar a vida num Estado único sem ingerência externa", afirmou Lavrov.

Erdogan anunciou também para breve uma cimeira tripartida com Putin e o Presidente iraniano, Hassan Rohani, que se prevê possa realizar-se nos próximos meses.

Esta primeira viagem de Erdogan ao estrangeiro este ano reflete a estreita comunicação que mantém com Putin: em 2018, os dois líderes falaram por telefone 18 vezes e reuniram-se pessoalmente sete vezes, segundo dados da agência Anadolu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.