Defesa antiaérea intercetou 71 mísseis aliados, diz a Rússia

"Isto testemunha a grande eficácia destes sistemas [antiaéreos] e a excelente formação do pessoal militar sírio formado pelos nossos especialistas", declarou o general russo Serguei Rudskoi

EM DIRETO: TUDO O QUE PASSA NA GUERRA NA SÍRIA

O exército russo afirmou este sábado que a defesa antiaérea síria conseguiu intercetar 71 dos 103 mísseis de cruzeiro lançados contra instalações do regime de Damasco pelos Estados Unidos e aliados.

"Isto testemunha a grande eficácia destes sistemas [antiaéreos] e a excelente formação do pessoal militar sírio formado pelos nossos especialistas", declarou o general russo Serguei Rudskoi, em conferência de imprensa.

O general Rudskoi confirmou que os bombardeamentos dos Estados Unidos e aliados não causaram "qualquer vítima" civil ou militar.

"De acordo com informações preliminares, não se registou qualquer vítima entre a população civil ou entre as forças armadas sírias", declarou.

De acordo com as forças armadas russas, um total de 103 mísseis de cruzeiro foram disparados pelos Estados Unidos, França e Reino Unido, incluindo mísseis Tomahawk, e 71 foram intercetados pela defesa antiaérea síria, equipada com sistemas de conceção soviética.

O exército sírio possui sistemas S-125, S-200, Bouk, Kvadrat e Ossa.

"Em ano e meio, a Rússia restabeleceu totalmente os sistemas de defesa antiaérea da Síria e continua a fazer melhorias", acrescentou o general russo.

Tendo em conta os ataques ocidentais, Moscovo está já a estudar a possibilidade de fornecer sistemas antiaéreos modernos S-300 à Síria e a outros países, indicou.

Já o porta-voz do Comando Geral do exército sírio, Ali Maihub, indicou que os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram um total de 110 mísseis e garantiu que as forças de defesa antiaérea destruíram "a maioria" dessas armas.

"A agressão tripartida foi perpetrada às 03:55 locais (01:55 em Lisboa) contra objetivos sírios em Damasco e fora" da capital síria, afirmou.

A mesma fonte acrescentou que outros mísseis não foram intercetados e atingiram um centro de investigação, no qual se encontra um laboratório científico e um centro educativo, só tendo sido registados danos materiais.

De acordo com o exército russo, os aeródromos das forças sírias não registaram danos significativos na sequência dos ataques ocidentais, mas as "instalações alegadamente ligadas ao dito programa químico de Damasco foram parcialmente destruídas".

Estes edifícios "não são usados há muito tempo e não estava nada no interior, nem pessoal, nem material", precisou Rudskoi.

"Consideramos que estes bombardeamentos não são uma resposta a um imaginário ataque químico, mas uma reação ao êxito das forças sírias na libertação do seu território do terrorismo internacional", disse.

Os Estados Unidos, a França e o Reino Unido lançaram esta madrugada bombardeamentos contra a Síria, uma semana depois do alegado ataque com armas químicas na cidade rebelde de Douma, atribuído às forças de Bashar al-Assad.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.