Boris Johnson diz que ataque ocidental foi "inteiramente acertado"

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico disse que o ataque de sábado foi uma forma de afirmar que "o uso de armas químicas" não vai ser mais tolerado

Boris Johnson considerou "inteiramente acertada" a intervenção militar ocidental na Síria, defendendo que já era o momento de dizer não ao uso de armas químicas por parte do regime de Bashar al-Assad.

"Olhando para as imagens do que aconteceu em 7 de abril a decisão de França, Reino Unido e Estados Unidos, de lançar ataques calibrados e proporcionais contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas pelo regime de Bashar al-Assad, foi inteiramente acertada. Foi completamente a decisão certa para o Reino Unido e para o Mundo", afirmou Boris Johnson à entrada para a reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE), que se realiza no Luxemburgo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico frisou que a intervenção militar realizada há dois dias "não foi uma tentativa de alterar o curso do conflito na Síria", "de promover uma alteração de regime", ou de afastar Bashar al-Assad.

"Foi a forma de o Mundo dizer que não vai tolerar mais o uso de armas químicas. O recurso a armas químicas por parte do regime de [Bashar] al-Assad prolongou-se por demasiado tempo e era o momento de dizermos não", completou.

Johnson mostrou-se ainda muito grato "pelo forte apoio internacional" aos ataques, realizados no sábado pelos EUA, França e Reino Unido, com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico no país, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, na Síria, por parte do governo de Bashar al-Assad.

A ofensiva de sábado na Síria consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.

O presidente dos EUA, Donald Trump, justificou o ataque como uma resposta à "ação monstruosa" realizada pelo regime de Damasco contra a oposição.

Segundo o secretário-geral da NATO, a ofensiva teve o apoio dos 29 países que integram a Aliança.

Na sequência destes ataques, e a pedido da Rússia, realizou-se uma reunião de urgência do Conselho de Segurança da ONU, na qual foi rejeitada uma proposta de condenação da ofensiva militar, apresentada pelos russos.

No domingo, o presidente russo, Vladimir Putin, avisou que novos ataques à Síria por países europeus e Estados Unidos pode provocar "o caos" nas relações internacionais, enquanto o líder sírio acusou os Estados Unidos e os seus aliados de lançarem uma "campanha de falácias e mentiras" após a ofensiva militar lançada no sábado por Washington, Londres e Paris.

Esta segunda-feira, será entregue ao Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução sobre a Síria, que inclui um novo mecanismo de controlo sobre o uso de armas químicas. O texto, redigido pela França, abrange três áreas: química, humanitária e política, segundo fontes diplomáticas.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."