Ataque causou "um grande prejuízo ao processo de paz"

Em conversa telefónica com Angela Merkel, Putin voltou a condenar a intervenção militar dos EUA, Reino Unido e França na Síria

O presidente russo, Vladimir Putin, disse à chanceler alemã, Angela Merkel, numa conversa telefónica, que o ataque ocidental conjunto contra a Síria violou a lei internacional e prejudicou o processo de paz, indicou o Kremlin esta terça-feira.

"O presidente russo sublinhou novamente que as ações de uma série de países ocidentais, que cometeram um ato de agressão contra a Síria, representam uma violação grosseira das normas do direito internacional", referiu o Kremlin num comunicado.

Putin lamentou ainda que o ataque de sábado dos EUA, Reino Unido e França tenha causado "um grande prejuízo ao processo de paz na Síria".

Os ataques aéreos ocidentais de sábado contra alvos associados à produção de armas químicas foram realizados em represália pelo alegado ataque químico das forças governamentais sírias à cidade de Douma, nos arredores de Damasco, a 7 de abril, que causou pelo menos 40 mortos.

Putin e Merkel destacaram "a importância da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), que se encontra na Síria

A Rússia, aliada do regime sírio, condenou no domingo os ataques dos ocidentais, mas absteve-se de responder.

Em relação ao processo de paz na Síria, "ambas as partes exprimiram a sua vontade de contribuir para o retomar dos esforços políticos e diplomáticos sobre a Síria", adianta o comunicado.

Putin e Merkel também destacaram "a importância da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), que se encontra na Síria, de realizar uma investigação minuciosa e objetiva". A OPAQ pretende investigar o alegado ataque químico a Douma.

Merkel apoiou a ação militar ocidental contra o regime de Bashar al-Assad, embora continue a defender um processo político, ideia que também partilhou numa conversa telefónica com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.