Ataque causou "um grande prejuízo ao processo de paz"

Em conversa telefónica com Angela Merkel, Putin voltou a condenar a intervenção militar dos EUA, Reino Unido e França na Síria

O presidente russo, Vladimir Putin, disse à chanceler alemã, Angela Merkel, numa conversa telefónica, que o ataque ocidental conjunto contra a Síria violou a lei internacional e prejudicou o processo de paz, indicou o Kremlin esta terça-feira.

"O presidente russo sublinhou novamente que as ações de uma série de países ocidentais, que cometeram um ato de agressão contra a Síria, representam uma violação grosseira das normas do direito internacional", referiu o Kremlin num comunicado.

Putin lamentou ainda que o ataque de sábado dos EUA, Reino Unido e França tenha causado "um grande prejuízo ao processo de paz na Síria".

Os ataques aéreos ocidentais de sábado contra alvos associados à produção de armas químicas foram realizados em represália pelo alegado ataque químico das forças governamentais sírias à cidade de Douma, nos arredores de Damasco, a 7 de abril, que causou pelo menos 40 mortos.

Putin e Merkel destacaram "a importância da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), que se encontra na Síria

A Rússia, aliada do regime sírio, condenou no domingo os ataques dos ocidentais, mas absteve-se de responder.

Em relação ao processo de paz na Síria, "ambas as partes exprimiram a sua vontade de contribuir para o retomar dos esforços políticos e diplomáticos sobre a Síria", adianta o comunicado.

Putin e Merkel também destacaram "a importância da missão da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), que se encontra na Síria, de realizar uma investigação minuciosa e objetiva". A OPAQ pretende investigar o alegado ataque químico a Douma.

Merkel apoiou a ação militar ocidental contra o regime de Bashar al-Assad, embora continue a defender um processo político, ideia que também partilhou numa conversa telefónica com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.