Síria: Ataque com mísseis contra posições militares governamentais

A organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) confirmou o ataque

A agência oficial síria Sana anunciou que foram disparados na noite de domingo "mísseis inimigos" contra "posições militares" governamentais nas províncias de Hama e Alepo, sem identificar a origem do ataque.

"Um novo ataque com mísseis inimigos atingiu posições militares" naquelas duas províncias, no centro e norte da Síria, refere a agência citando uma fonte militar.

A organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) confirmou o ataque com mísseis e relatou que "elementos iranianos" estavam estacionados nas duas bases militares que foram alvejadas.

A organização não deu qualquer informação sobre possíveis vítimas ou sobre os responsáveis pelo ataque.

A guerra na Síria prolonga-se há sete anos, desde a repressão sangrenta de manifestações pró-democracia em março de 2011.

O conflito já causou a morte de 350.000 pessoas e provocou milhões de refugiados e deslocados.

Em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte do Governo de Bashar al-Assad, no passado dia 14 os Estados Unidos, a França e o Reino Unido realizaram uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.