Alto comissário da ONU fala em prováveis crimes de guerra em Ghouta

Pelo menos 617 pessoas, incluindo 149 crianças, foram mortas em Ghouta oriental desde que as forças governamentais intensificaram os ataques na região, no mês passado

O alto comissário para os Direitos Humanos da ONU disse esta sexta-feira que a violência e os assassínios na região de Ghouta oriental e em toda a Síria constituem provavelmente crimes de guerra e potencialmente crimes contra a humanidade.

"Os civis estão encurralados entre a submissão e a morte", declarou Zeid Ra'ad al-Hussein, apelando ao Conselho dos Direitos Humanos para ajudar a responsabilizar os autores de tais crimes e insistindo que eles devem saber que estão a ser elaborados processos contra eles.

Al-Hussein falava no início de um "debate urgente" no conselho, órgão que integra 47 países, a pedido do Reino Unido, sobre a situação humanitária dos cerca de 400.000 civis que se encontram na região de Ghouta oriental, o enclave rebelde nos arredores da capital síria, Damasco.

Na reunião está prevista a discussão de um projeto de resolução exigindo a aplicação da decisão aprovada no sábado pelo Conselho de Segurança da ONU, que prevê um cessar-fogo de 30 dias na Síria.

Nem a resolução das Nações Unidas nem a trégua humanitária diária de cinco horas pedida pela Rússia na segunda-feira para permitir a entrada de ajuda ou a saída de civis da região de Ghouta oriental têm sido cumpridas pelas partes.

O projeto de resolução britânico pede ainda que a comissão de inquérito internacional independente sobre a Síria "instaure urgentemente um inquérito completo e independente sobre os acontecimentos recentes em Ghouta Oriental".

Pelo menos 617 pessoas, incluindo 149 crianças, foram mortas em Ghouta oriental desde que no dia 18 as forças governamentais intensificaram os ataques na região, sitiada desde 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.