22 civis morrem em ataques aéreos atribuídos a Moscovo

Pelo menos 22 civis morreram esta quinta-feira na Síria em ataques aéreos atribuídos à aviação russa visando a província de Deraa, no sul do país e alvo de uma ofensiva do regime, divulgou uma organização não-governamental.

Entre as vítimas, 17 civis, incluindo cinco crianças, estavam refugiados na cave de uma habitação para escapar aos bombardeamentos, na localidade de al-Mseifra, precisou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Após ter consolidado o seu poder na capital, Damasco, e nos seus arredores, expulsando rebeldes e 'jihadistas', o regime de Bashar al-Assad apontou como alvo o sul, região sensível junto à fronteira com a Jordânia e com os montes Golã, ocupados em parte por Israel.

Desde 19 de junho, as forças do regime intensificaram os bombardeamentos, sobretudo na zona leste da província de Deraa, antes de lançarem alguns dias depois uma ofensiva contra os bairros controlados pelos rebeldes na cidade com o mesmo nome.

Os ataques aéreos desta quinta-feira atribuídos a Moscovo tiveram como alvo localidades rebeldes no leste, mas também no oeste da província de Deraa, indicou o OSDH.

"O balanço de quinta-feira (hoje) é o mais elevado desde 19 de junho", disse à agência France-Presse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane.

"Desde quarta-feira os bombardeamentos tornaram-se mais intensos e têm como alvos zonas fortemente povoadas", adiantou.

A província de Deraa foi onde começou em março de 2011 a contestação ao regime de Assad, cuja repressão levou à guerra da Síria, que já causou mais de 350.000 mortos e milhões de deslocados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.