Singapura, palco para a História. Quando Kim Jong-un tirou fotografias na noite da cidade

A segurança apertou e essa é a grande diferença que se nota em Singapura. A não ser para quem se cruzou com Kim Jong-un numa volta noturna pela cidade

A histórica cimeira entre o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un está a ser vivida em Singapura num clima de grande expectativa. Donald Trump afirmou que tinha a convicção que tudo iria correr bem, ao mesmo tempo que agradecia ao anfitrião da cimeira, Lee Hsien Loong com quem almoçou num ambiente marcado por otimismo de ambas as partes. Contudo, subsistem incertezas sobre o resultado final do encontro de amanhã, nomeadamente no que diz respeito ao futuro processo de verificação da potencial desnuclearização da Coreia do Norte. Nas ruas da cidade-estado, viveu-se um dia, apesar de tudo, marcado por alguma normalidade, excetuando as medidas de segurança apertadas e as restrições em torno dos hotéis onde os dois líderes estão instalados, no centro da cidade. Mais difícil é o acesso à ilha de Sentosa, onde vai decorrer a tão aguardada cimeira, amanhã, terça-feira, dia 12 de junho às 9 da manhã (hora local), 2 da manhã (hora de Lisboa).

A incursão noturna de Kim

A agenda de Kim manteve-se um mistério ao longo dia dia. A surpresa chegou ao início da noite quando a caravana do líder norte-coreano saiu do hotel Saint Regis, no centro da cidade, para rumar a algumas das principais atracões turísticas de Singapura. O ministro dos negócios estrangeiros da cidade-estado publicou na sua página do Facebook fotos com Kim, junto de alguns dos locais mais populares entre os turistas como Gardens by the Bay e o ícone arquitetónico da cidade, o casino-resort Marina BAy Sands. Esta é a terceira vez que, publicamente, Kim sai do país em visita oficial desde que assumiu as rédeas do poder no final de 2011, altura em que sucedeu ao seu pai, Kim Jong-Il, quando este faleceu.

Uma cidade-estado à medida

Singapura surge assim como local com características quase únicas para ser palco desta cimeira. É uma cidade-estado com uma dimensão pouco maior que Andorra, conhecida por ser dos países mais seguros do mundo e pelo controlo exercido pelas autoridades sobre aspetos da vida social. Além do mais, goza de uma relativa neutralidade em termos políticos e diplomáticos. É desta forma também que encara a situação Fernando Matos, cidadão português residente em Singapura há 14 anos. "É o local ideal pela segurança, pela centralidade, pelos acessos, pela pacatez de ser uma cidade em que não há grandes manifestações", observa. A perceção de Singapura como neutral politicamente também joga muito a seu favor: "Por ser uma base para grandes empresas multinacionais e muito comércio confere-lhe também essa neutralidade."
Natural de Lisboa, Fernando Matos vive fora de Portugal há 22 anos. Primeiro em Londres, depois no Dubai e agora em Singapura, onde diz sentir-se bem por "estar a viver no motor da economia mundial". Fernando Matos é diretor de patrocínios da Visa para a região Ásia Pacífico. Esta terça-feira, tal como os restantes 5.6 milhões de habitantes de Singapura e o resto do mundo, vai estar de olhos postos na ilha de Sentosa - a sul da ilha principal - para ver se Singapura sempre traz bons auspícios para a paz e segurança internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.