ADN ajuda a resolver homicídio com 30 anos

A jovem Heike foi violada e morta em 1987. Um sexagenário alemão foi agora condenado pelo homicídio cometido há 30 anos, na antiga RDA

Um alemão de 62 anos foi esta quarta-feira condenado a prisão perpétua pelo homicídio e violação de uma jovem em 1987, na extinta República Democrática Alemã (RDA). Trinta anos após os acontecimentos, a equipa responsável pela investigação do caso conseguiu relacionar o sexagenário, identificado como Helmut S., com os vestígios de ADN recolhidos no local do crime.

O tribunal de Zwickau (no leste da Alemanha) considerou Helmut S. culpado de violar e estrangular a 09 de abril de 1987 Heike Wunderlich, uma jovem mulher de 18 anos, numa floresta de Plauen (leste), na antiga RDA, perto da fronteira com a República Checa, segundo indicou um porta-voz da instância judicial.

Julgado desde dezembro passado, o sexagenário sempre negou os factos. Os advogados de defesa indicaram hoje que vão avaliar um possível recurso da sentença.

Vítima de um acidente vascular cerebral em 2012, o acusado compareceu no julgamento em cadeira de rodas.

Como previsto no Direito alemão atual, nomeadamente em relação aos crimes cometidos no tempo da ex-RDA, Helmut S. foi condenado pelo crime de homicídio agravado à luz do direito penal em vigor na Alemanha.

O crime de homicídio agravado teria prescrito na ex-RDA após um período de 25 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?