Seul intensifica caça às câmaras ocultas nas casas de banho

O fenómeno "molka" supõe a instalação de câmaras ocultas, chamadas de spycams, em casas de banho, balneários ou piscinas. Em 2017, foram apresentadas mais de 6500 queixas na polícia e presas mais de 16 mil pessoas por filmagens ilegais.

Seul está a intensificar a caça às câmaras ocultas nas casas de banho públicas. Depois de nos últimos meses mais de 25 mil mulheres terem saído à rua contra o chamado fenómeno molka - supõe a instalação de câmaras ocultas, chamadas de spycams, em casas de banho, balneários ou piscinas e mesmo debaixo de secretárias para filmar as partes íntimas das pessoas, na sua grande maioria mulheres, e depois usadas no negócio da pornografia e prostituição.

Como é possível ver no vídeo abaixo, existem verdadeiras brigadas de caça às spycams. Várias pessoas, devidamente identificadas, passam revistas aos locais de maior privacidade, acompanhados por um polícia e munidos de um aparelho que deteta a existência de aparelhos eletrónicos.

As filmagens ilegais são um problema sério que a Coreia do Sul vem enfrentando na última década. Um problema reconhecido pelo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, que recentemente apelou à aprovação de leis mais rígidas para travar o fenómeno de agressão e ofensa sexual.

Até agora quem era preso por colocar uma câmara oculta tinha de pagar uma multa até 7440 euros e podia ser condenado até cinco anos de prisão. No entanto, o mais habitual, é os acusados pagarem uma pequena multa e ficarem livres. Só 2% os que foram apanhadas ficaram mesmo detidos e a cumprir pena.

O aumento do número de crimes e a sensação de impunidade fez com que mais de 400 mil pessoas assinassem uma petição online para forçar a polícia a investigar a fundo todos os casos de molka, dando origem a um movimento idêntico ao #MeToo, que tomou de assalto Hollywood.

Mais de 6500 queixas em 2017

Esta medida surge depois de mais uma gigantesca manifestação contra o molka, uma forma de agressão sexual que consiste na recolha ilegal de imagens de mulheres na intimidade.

O fenómeno molka supõe a instalação de câmaras ocultas, as chamadas spycams usadas para filmar as partes íntimas das mulheres. O conteúdo acaba por ir parar à Internet e catalogado como pornografia. Muitas das queixas referem-se mesmos a vídeos dessas mulheres que são depois usados como publicidade para negócios relacionados com prostituição.

O problema já vem de longe e só em 2010 tinham sido já registadas cerca de mil queixas de mulheres por causa domolka. E no ano passado, foram cerca de 6500, havendo ainda a registar alguns casos de suicídio nos últimos anos devido a esse fenómeno, segundo informação veiculada pela Euronews. Mas a quantidade real pode ser ainda maior. Das 16.021 pessoas presas por fazer filmagens ilegais entre 2012 e 2017, 98% eram homens. As mulheres representavam 84% das vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...