Coreia do Norte está "a trabalhar em novos mísseis", dizem EUA

Os serviços de informação norte-americanos acreditam que regime de Pyongyang está a construir novos mísseis, informou segunda-feira o jornal norte-americano Washington Post

Foram as imagens de uma fábrica que produziu o primeiro míssil supostamente capaz de atingir a costa leste dos Estados Unidos que deram aos agentes secretos norte-americanos a convicção de que a Coreia do Norte continuará a trabalhar no seu programa de mísseis balísticos.

"Evidências recentes, incluindo imagens de satélite nas últimas semanas, indicam que estão a trabalhar em pelo menos um, talvez até dois [mísseis intercontinentais], em Sanumdong, perto de Pyongyang ", escreve Washington Post, citando responsáveis dos serviços de informação sob anonimato.

O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, já tinha admitido numa audiência no Congresso que Pyongyang ainda produzia materiais nucleares, seis semanas após a reunião histórica entre Donald Trump e Kim Jong-Un.

O Washington Post refere que "esta nova informação não sugere um aumento nas capacidades da Coreia do Norte, mas mostra que o desenvolvimento de armamento continua várias semanas depois do presidente Trump ter escrito no Twitter que Pyongyang 'não é mais uma ameaça nuclear'".

A Reuters, por seu lado, cita um alto responsável americano que refere não ser claro até onde é que os norte-coreanos já foram nesse projeto.

Esta terça-feira, generais da Coreia do Norte e da Coreia do Sul reúnem-se com o objetivo de discutirem formas de reduzir armamento e presença militar junto à fronteira entre os dois países.

A reunião, que decorre na cidade fronteiriça de Panmunjom, segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, acontece quatro dias depois da Coreia do Norte ter devolvido aos Estados Unidos os restos mortais de soldados norte-americanos que tinham sido dados como desaparecidos durante a guerra que decorreu na península coreana entre 1950 e 1953.

Avanços e recuos desde Singapura

Em junho, Trump e Kim reuniram-se em Singapura num encontro entre um presidente americano em exercício e um líder norte-coreano. Os dois comprometeram-se com a desnuclearização da península coreana. E o presidente americano veio depois garantir que a Coreia do Norte já "não é uma ameaça nuclear".

Mas Trump tem sido criticado por fazer concessões sem conseguir qualquer garantia em troca de que Kim esteja a pôr fim ao seu programa de mísseis balísticos.

Na semana passada, houve relatos de que a Coreia do Norte estaria a desmantelar umas instalações de lançamento de rockets. Mas os últimos documentos dos serviços secretos americanos revelam que o regime de Kim poderá continuar a desenvolver o seu programa nuclear e de mísseis balísticos em segredo.

Há dias, o secretário de Estado Mike Pompeo teve de admitir que a Coreia do Norte continua a produzir material físsil nuclear, mas garantiu que estão a ser feitos progressos em direção à desnuclearização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.