Coreia do Norte está "a trabalhar em novos mísseis", dizem EUA

Os serviços de informação norte-americanos acreditam que regime de Pyongyang está a construir novos mísseis, informou segunda-feira o jornal norte-americano Washington Post

Foram as imagens de uma fábrica que produziu o primeiro míssil supostamente capaz de atingir a costa leste dos Estados Unidos que deram aos agentes secretos norte-americanos a convicção de que a Coreia do Norte continuará a trabalhar no seu programa de mísseis balísticos.

"Evidências recentes, incluindo imagens de satélite nas últimas semanas, indicam que estão a trabalhar em pelo menos um, talvez até dois [mísseis intercontinentais], em Sanumdong, perto de Pyongyang ", escreve Washington Post, citando responsáveis dos serviços de informação sob anonimato.

O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, já tinha admitido numa audiência no Congresso que Pyongyang ainda produzia materiais nucleares, seis semanas após a reunião histórica entre Donald Trump e Kim Jong-Un.

O Washington Post refere que "esta nova informação não sugere um aumento nas capacidades da Coreia do Norte, mas mostra que o desenvolvimento de armamento continua várias semanas depois do presidente Trump ter escrito no Twitter que Pyongyang 'não é mais uma ameaça nuclear'".

A Reuters, por seu lado, cita um alto responsável americano que refere não ser claro até onde é que os norte-coreanos já foram nesse projeto.

Esta terça-feira, generais da Coreia do Norte e da Coreia do Sul reúnem-se com o objetivo de discutirem formas de reduzir armamento e presença militar junto à fronteira entre os dois países.

A reunião, que decorre na cidade fronteiriça de Panmunjom, segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, acontece quatro dias depois da Coreia do Norte ter devolvido aos Estados Unidos os restos mortais de soldados norte-americanos que tinham sido dados como desaparecidos durante a guerra que decorreu na península coreana entre 1950 e 1953.

Avanços e recuos desde Singapura

Em junho, Trump e Kim reuniram-se em Singapura num encontro entre um presidente americano em exercício e um líder norte-coreano. Os dois comprometeram-se com a desnuclearização da península coreana. E o presidente americano veio depois garantir que a Coreia do Norte já "não é uma ameaça nuclear".

Mas Trump tem sido criticado por fazer concessões sem conseguir qualquer garantia em troca de que Kim esteja a pôr fim ao seu programa de mísseis balísticos.

Na semana passada, houve relatos de que a Coreia do Norte estaria a desmantelar umas instalações de lançamento de rockets. Mas os últimos documentos dos serviços secretos americanos revelam que o regime de Kim poderá continuar a desenvolver o seu programa nuclear e de mísseis balísticos em segredo.

Há dias, o secretário de Estado Mike Pompeo teve de admitir que a Coreia do Norte continua a produzir material físsil nuclear, mas garantiu que estão a ser feitos progressos em direção à desnuclearização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.