Coreia do Norte está "a trabalhar em novos mísseis", dizem EUA

Os serviços de informação norte-americanos acreditam que regime de Pyongyang está a construir novos mísseis, informou segunda-feira o jornal norte-americano Washington Post

Foram as imagens de uma fábrica que produziu o primeiro míssil supostamente capaz de atingir a costa leste dos Estados Unidos que deram aos agentes secretos norte-americanos a convicção de que a Coreia do Norte continuará a trabalhar no seu programa de mísseis balísticos.

"Evidências recentes, incluindo imagens de satélite nas últimas semanas, indicam que estão a trabalhar em pelo menos um, talvez até dois [mísseis intercontinentais], em Sanumdong, perto de Pyongyang ", escreve Washington Post, citando responsáveis dos serviços de informação sob anonimato.

O chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, já tinha admitido numa audiência no Congresso que Pyongyang ainda produzia materiais nucleares, seis semanas após a reunião histórica entre Donald Trump e Kim Jong-Un.

O Washington Post refere que "esta nova informação não sugere um aumento nas capacidades da Coreia do Norte, mas mostra que o desenvolvimento de armamento continua várias semanas depois do presidente Trump ter escrito no Twitter que Pyongyang 'não é mais uma ameaça nuclear'".

A Reuters, por seu lado, cita um alto responsável americano que refere não ser claro até onde é que os norte-coreanos já foram nesse projeto.

Esta terça-feira, generais da Coreia do Norte e da Coreia do Sul reúnem-se com o objetivo de discutirem formas de reduzir armamento e presença militar junto à fronteira entre os dois países.

A reunião, que decorre na cidade fronteiriça de Panmunjom, segundo o Ministério da Defesa da Coreia do Sul, acontece quatro dias depois da Coreia do Norte ter devolvido aos Estados Unidos os restos mortais de soldados norte-americanos que tinham sido dados como desaparecidos durante a guerra que decorreu na península coreana entre 1950 e 1953.

Avanços e recuos desde Singapura

Em junho, Trump e Kim reuniram-se em Singapura num encontro entre um presidente americano em exercício e um líder norte-coreano. Os dois comprometeram-se com a desnuclearização da península coreana. E o presidente americano veio depois garantir que a Coreia do Norte já "não é uma ameaça nuclear".

Mas Trump tem sido criticado por fazer concessões sem conseguir qualquer garantia em troca de que Kim esteja a pôr fim ao seu programa de mísseis balísticos.

Na semana passada, houve relatos de que a Coreia do Norte estaria a desmantelar umas instalações de lançamento de rockets. Mas os últimos documentos dos serviços secretos americanos revelam que o regime de Kim poderá continuar a desenvolver o seu programa nuclear e de mísseis balísticos em segredo.

Há dias, o secretário de Estado Mike Pompeo teve de admitir que a Coreia do Norte continua a produzir material físsil nuclear, mas garantiu que estão a ser feitos progressos em direção à desnuclearização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.