Senadores dos EUA enviam para FBI acusação de assédio sexual contra juiz Kavanaugh

Carta enviada fala sobre um suposto caso de assédio sexual que supostamente aconteceu no ensino secundário

Os senadores democratas que avaliam a nomeação para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos do juiz Brett Kavanaugh, escolhido pelo Presidente Donald Trump, remeteram informações ao FBI sobre um suposto caso de assédio sexual do candidato.

A notícia foi avançada na quinta-feira pelo The New York Times, que cita a senadora Dianne Feinstein a afirmar ter encaminhado uma carta aos investigadores federais com informações relevantes sobre Kavanaugh, embora não tenha explicado o conteúdo da mesma.

"Recebi informações de uma pessoa sobre a nomeação de Brett Kavanaugh para o Supremo Tribunal, essa pessoa pediu-me confidencialidade (...) e respeitei essa decisão, mas remeti esta questão às autoridades federais de investigação", disse a senadora, que se recusou a informar sobre o conteúdo da carta e o grau de relevância.

Segundo fontes citadas pelo jornal de Nova Iorque, a carta é sobre um caso de assédio sexual que supostamente envolveu Kavanaugh com uma mulher quando ambos estavam no ensino secundário.

Kavanaugh, que foi nomeado a 09 de julho por Trump, enfrentou as habituais audiências de confirmação perante um comité do qual Feinstein faz parte, sendo que o mesmo órgão deverá recomendar, ou não, na próxima semana, a sua aprovação como juiz do Supremo Tribunal.

Em última análise, será o próprio Senado - com uma pequena maioria conservadora - a decidir se Kavanaugh se tornará juiz do Supremo Tribunal, composto por nove juízes que assumem um posto vitalício.

A candidatura de Kavanaugh gerou grande preocupação nas fileiras progressistas, que temem a possibilidade de a nomeação deste juiz conservador resultar em retrocessos em direitos civis e, em última análise, para futuros equilíbrios no Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.