Senador demite-se após acusações de assédio sexual

Jeff Kruse nega as acusações de que assediou colegas do sexo feminino enquanto falava com elas em áreas públicas do Senado

Um senador do estado norte-americano do Oregon anunciou na quinta-feira a demissão, depois de uma investigação ter comprovado que assediou várias mulheres no Capitólio com contacto físico inapropriado.

Em comunicado, o senador Jeff Kruse nega as acusações, mas diz que abandona o cargo para que os seus colegas possam concentrar-se em servir os cidadãos do Oregon sem distrações.

Um relatório divulgado na terça-feira documentou acusações de que o senador republicano assediou colegas do sexo feminino enquanto falava com elas em áreas públicas do Senado e que esse comportamento inadequado ocorria há anos.

Por causa das queixas, o presidente do Senado já tinha retirado a Kruse, natural de Roseburg, Oregon, as suas atribuições em comissões, no final do ano passado.

A senadora democrata Sara Gelser, da cidade universitária de Corvallis, apresentou uma queixa informal há dois anos, e Kruse foi avisado pelos advogados e recursos humanos parlamentares para não tocar em mulheres no Capitólio.

Como isso não o deteve, no outono passado Sara Gelser apresentou uma queixa formal contra Kruse, na sequência de uma onda de acusações de abuso sexual a homens poderosos, e o relatório divulgado esta semana documentou esses e outros abusos por parte do senador republicano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.